Wadson Ribeiro: Por um lockdown nacional imediato

Comércio fechado na rua 25 de Março, em São Paulo, durante a quarentena

(Crédito: Rovena Rosa/Agência Brasil)

É inadmissível que no pico das mortes provocadas pela Covid-19 no Brasil o governo federal e os poderes da República não apresentem uma agenda coordenada para enfrentar definitivamente a pandemia. Ao contrário, os temas que estão na pauta nada têm a ver com as necessidades da ampla maioria dos brasileiros que, nesse momento, só exigem vacina e um meio para sobreviverem.

Por Wadson Ribeiro*

Sem o fechamento total do país por um período, de modo eficaz e verdadeiro, não evitaremos o crescente número de mortes e de transmissões, e aprofundaremos as múltiplas crises nas quais estamos mergulhados.

O governo federal, no momento mais difícil da pandemia até agora, não conseguiu ainda sancionar o Orçamento para o ano de 2021. Além do comprometimento do Censo Nacional realizado pelo IBGE a cada dez anos, e que de forma inédita não acontecerá, também estão ameaçados uma série de políticas sociais, programas e investimentos. A preocupação do governo foi autorizar a Comissão de Orçamento a retirar mais de R$25 bilhões de despesas obrigatórias, aquelas que não podem ser cortadas, para atender à sua base parlamentar e nutri-la com volumosos recursos em seus redutos eleitorais. Não se vê no orçamento nada de extraordinário para encarar a pandemia, garantir renda aos mais pobres e amenizar o sofrimento da população.

Bolsonaro briga com a realidade e com a ciência para manter seu eleitorado unido mesmo que, para isso, tenhamos que passar o dia das mães com a triste marca de quase meio milhão de brasileiros mortos e uma crise social de grandes proporções. Com mais de um ano de atraso e por enorme pressão do Congresso Nacional, especialmente do Senado, foi criado um comitê de enfrentamento à Covid-19, mas que como ato contínuo adotou uma prática e um discurso diametralmente opostos ao que a ciência, o bom senso e o próprio comitê indicam. O presidente aglomerou, andou sem máscara, defendeu o tratamento precoce e pressionou pela abertura de igrejas, de templos e de santuários, assim como, a liberalização dos cultos religiosos, o que sabidamente aglomera as pessoas.

A Câmara dos Deputados, por outro lado, tornou-se mais conservadora e, além de não garantir um auxílio emergencial no valor mínimo equivalente ao anterior, aprovou essa semana um projeto que permite a aquisição de vacinas pela iniciativa privada, não respeitando a ordem de prioridades de imunização estabelecida pelas autoridades sanitárias. O projeto, apelidado de “fura-fila”, precifica a vida dos brasileiros e escolhe aqueles que merecem ou não estar imunizados. Como grande parte dos deputados estão preocupados com a liberação de suas emendas parlamentares e com indicações de cargos nos ministérios e em outros órgãos federais, não apresentam soluções para a retomada da economia em um cenário pós-pandêmico, tampouco, estão preocupados com a degradação da condição de vida dos brasileiros. Parecem viver em mundo à parte.

Enquanto o governo brasileiro não conseguir vacinar grande parte de sua população, os movimentos de abertura e de fechamento não resolverão o problema das transmissões, ao contrário, poderão contribuir para o surgimento de cepas mais resistentes. O que é preciso ser feito é um lockdown nacional que garanta ao conjunto da população brasileira condições de renda e de sobrevivência. Governadores, prefeitos, deputados, sindicatos, empresários, sociedade civil, precisam construir urgentemente um pacto pela derrota definitiva do vírus no Brasil. Isso passa pela vacinação em massa e pelo aumento do isolamento social através de um lockdown, não apenas para a classe média e os ricos, mas que alcance a maioria da população.

__
Wadson Ribeiro* é presidente do PCdoB -MG, foi presidente da UNE, da UJS, deputado federal e secretário de Estado de Minas Gerais.

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB