Renildo: vender Petrobras não reduzirá preços de combustíveis

Foto: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados

O líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, Renildo Calheiros (PE), disse que Bolsonaro tenta mais uma vez enganar a população dando a entender que com a privatização da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo S/A (PPSA) os preços dos combustíveis vão baixar no país. O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, anunciou que a sua pasta dará prioridade para a venda das duas empresas.

“O presidente Jair Bolsonaro tenta enganar a população. É absurdo que ele tente criar a ilusão de que os preços dos combustíveis serão reduzidos, caso se aprovem as privatizações”, reagiu Calheiros.

De acordo com ele, haverá resistência caso o governo queira vender as empresas. “Lutaremos até o fim no Congresso Nacional contra a privatização da Petrobras, da Pré-Sal Petróleo S.A, empresa responsável por gerir os contratos da União no pré-sal, e da Eletrobras”, afirmou.

Ele também acha “inaceitável” que a venda dessas companhias estratégicas para a economia nacional seja a prioridade do novo ministro. “É muita incompetência!”, reagiu.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL), pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro, também vai na mesma direção de Calheiros. “Em vez de trabalhar para solucionar o problema da alta do preço dos combustíveis, Jair Bolsonaro fica criando cortinas de fumaça para tentar enganar os brasileiros. Primeiro a mentira sobre o ICMS cobrado pelos Estados, agora fala em privatização da Petrobras. Vai trabalhar!”, postou no Twitter.

Na opinião do coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, a privatização prejudica aqueles que mais precisam, impactando preço do gás, comida e transporte. “A Petrobras é do povo!”, lembrou.

O novo ministro, de acordo com ele, diz que vai estudar a privatização como se ela fosse a solução para baixar o preço dos combustíveis.

“Mas sabemos que não é. Ao invés de buscar um ‘bode expiatório’ para enganar a população, fingindo preocupação, Bolsonaro deveria assumir o papel de mandatário e acabar com essa política de preços covarde, que vem levando o povo cada vez mais à miséria”, defendeu.

 

Por Iram Alfaia

 

(PL)