PCdoB-MS lança nota de repúdio às novas manifestações de Urias Fonseca

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) do Mato Grosso do Sul, por meio de nota pública, expressou repúdio e indignação em relação às novas manifestações de Urias Fonseca Rocha veiculadas por áudio nas redes sociais, nas quais defende o sequestro do juiz Sérgio Moro e o uso de terrorismo na defesa do ex-presidente Lula.

O Partido declara que a mensagem veiculada pelo camarada afronta o pensamento e a prática do PCdoB.

Urias Fonseca já se encontra suspenso preventivamente do PCdoB, desde o dia 5 de janeiro de 2018, por ter veiculado áudios nas redes sociais incitando atentados contra membros do Poder Judiciário.

Segue abaixo a nota sobre o assunto:

O PCdoB/MS, por meio de seu presidente, vem a público expressar repúdio e indignação em relação às novas manifestações de Urias Fonseca Rocha veiculadas por áudio nas redes sociais, nas quais defende o sequestro do juiz Sérgio Fernando Moro e o uso do terrorismo na defesa de Luiz Inácio Lula da Silva, o que afronta o pensamento e a prática do PCdoB, servindo tão somente ao propósito de quem pretende usar tais declarações para prejudicar o partido e a própria luta pela liberdade do ex-presidente.

Ressaltamos que Urias Fonseca Rocha já se encontra suspenso preventivamente do PCdoB, desde o dia 05 de Janeiro de 2018, por ter veiculado áudios nas redes sociais incitando atentados contra membros do Poder Judiciário quando do julgamento do recurso de Lula no TRF-4. A medida tem vigência improrrogável de 180 (cento e oitenta) dias, período no qual fica impedido de se manifestar em nome do partido e deve ser instaurado o processo disciplinar.

Recentemente, o filiado em questão passou a difamar e a caluniar dirigentes locais do partido, bem como a direção em geral. A ruptura da disciplina partidária se aprofunda, se agrava e se reitera. A defesa de práticas terroristas afronta o Programa, o Estatuto, as resoluções e, principalmente, a prática do PCdoB. Diante de tal impasse, a direção instaurará imediatamente o processo disciplinar em face do filiado Urias, garantindo-lhe ampla defesa durante a instrução, até final decisão, quando os dirigentes deliberarão sobre o relatório e o parecer da Comissão de Controle, que poderá recomendar ou não a aplicação de uma ou mais sanções entre as previstas no Estatuto, inclusive podendo incidir a medida mais drástica.

Campo Grande-MS, 11 de Abril de 2018.

Mario Cesar Fonseca da Silva
Presidente do PCdoB/MS