Nota pública: PCdoB repudia ataque contra Poder Judiciário

O Partido Comunista do Brasil, através de sua presidência nacional e da direção no estado do Mato Grosso do Sul repudia mensagem de áudio de seu filiado Urias Fonseca Rocha que repercutiu nas redes sociais a partir de sua divulgação no dia 2 de janeiro deste ano.

O Partido, por meio de nota pública, declara que a opinião do camarada é isolada e nada representa a posição dos comunistas de respeito às instituições jurídicas do país.

Segue abaixo as notas sobre o assunto:

PCdoB/MS rechaça defesa do uso da violência contra juízes feita na internet por filiado

O Partido Comunista do Brasil de Mato Grosso do Sul – PCdoB/MS – vem por meio da presente nota pública rechaçar a defesa do uso da violência contra membros do Poder Judiciário feita pelo seu filiado Urias Fonseca Rocha, gravada e divulgada em áudio que teve grande repercussão nas redes sociais em todo o Brasil. Trata-se de uma opinião isolada do referido filiado que em nada representa a posição dos comunistas. Respeitamos o Poder Judiciário, sem abdicarmos de contestar o ativismo político crescente entre os seus quadros, que dia a após dia mutila o Estado democrático de direito.

O caráter, as normas e os propósitos do nosso partido estão definidos claramente no seu Estatuto, no seu Programa e nas resoluções de seus fóruns. Estes documentos oficiais estão acessíveis a todos na internet. Conforme consta de seu Estatuto, logo no artigo 1º, o PCdoB é uma organização que se orienta por uma moral e uma ética humanistas e democráticas, submetendo-se aos marcos da legislação vigente, o que está também provado de forma robusta pela sua própria prática política demonstrada ao longo de uma trajetória quase centenária.

Repudiamos as tentativas capciosas de vincular a fala solitária de um filiado, da qual discordamos totalmente, ao conjunto do PCdoB. Geralmente, tais ilações partem de militantes e grupelhos que, acostumados a difundir ódio e intolerância nas redes sociais, não escondem a saudade do terrorismo de Estado da ditadura instaurada em 1964, que perseguia, prendia, torturava e matava opositores. Diferentemente dessas forças obscuras do presente e do passado, jamais apoiamos ou adotamos atos terroristas.

Os ataques oportunistas não arrefecerão o ânimo dos comunistas. No próximo dia 24 de janeiro, em Porto Alegre, militantes do PCdoB de todo o país estarão na frente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região junto com outros milhares de manifestantes protestando pacificamente contra um julgamento de exceção politicamente enviesado, num processo que tramitou com celeridade jamais vista naquela corte, mostrando de forma inequívoca os reais interesses dos inimigos do povo: tirar Lula da disputa presidencial e continuar sacrificando a soberania da nação, as liberdades democráticas e os direitos sociais.

Defender os direitos de Lula é defender a democracia. Para tanto, o PCdoB entende que é necessário o apoio de amplos setores da sociedade e o desenvolvimento de várias formas de luta, sem jamais cogitar o uso da violência política. Nós, os comunistas, bem como os demais setores patrióticos e populares, que estamos do lado da democracia, não os nossos adversários.

Campo Grande-MS, 05 de Janeiro de 2018
Mario Fonseca, presidente do PCdoB/MS

NOTA DA PRESIDÊNCIA

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) repudia veementemente as manifestações de Urias Fonseca da Rocha. Elas contrariam frontalmente os posicionamentos do partido, expressos em seu programa e resoluções congressuais.

A difusão do posicionamento individual deste filiado como se fosse posição partidária, realizada de forma completamente artificial através das redes sociais, obedece a objetivos difamatórios contra os comunistas. Qualquer pessoa que acompanhe minimamente a vida política nacional sabe que eles são contrários às crenças do PCdoB.

A direção partidária adotará em relação a Urias da Rocha as medidas disciplinares cabíveis.
Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB.