PCdoB lança ação nacional de arrecadação com vistas às eleições 2020

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) lançou, em reunião virtual realizada nesta quarta-feira (22), com a participação de 250 pessoas entre dirigentes estaduais, municipais e pré-candidatos do PCdoB, a ação nacional de arrecadação financeira.

Sob a coordenação do secretário nacional de Administração e Finanças, Ricardo Abreu Alemão, a reunião contou com a participação da presidenta nacional da legenda, Luciana Santos que fez um pronunciamento de abertura do evento falando sobre a conjuntura.

A reunião contou ainda com intervenções iniciais dos secretários, Fábio Tokarski (Organização) e Adalberto Monteiro (Comunicação), além da exposição de Oswaldo Napoleão, coordenador da ação nacional de arrecadação pela secretaria de Administração e Finanças, que em comum, ressaltaram que o êxito da ação de arrecadação só acontecerá com a participação dos dirigentes em todo o país.

Ricardo Alemão fez uma exposição mais centrada na própria ação, anunciou que o tema da campanha será “impulsione a democracia, faça sua doação para o PCdoB e o movimento 65” com objetivo de fortalecer a presença do PCdoB através das páginas oficiais dos comitês municipais nas redes sociais.

Alemão comentou que fundamentalmente a campanha eleitoral este ano deverá ocorrer de forma digital. “Como estamos vivendo relativo isolamento social, houve grande impulso na vivência digital. E nestas eleições mais ainda, a campanha será marcada pela internet e atuação nas redes sociais”.

Fundo Partidário e Eleitoral

O dirigente ressaltou o avanço democrático que foi o fim do financiamento empresarial e o funcionamento público e cidadão, da aplicação dos recursos públicos na campanha eleitoral, com a participação das pessoas físicas.  Entretanto, segundo o dirigente, os recursos públicos são importantes, mas são insuficientes para cobrir todas as candidaturas em todo o país. Por isso, será necessário fazer uma ação para que o Partido possa arrecadar recursos próprios. “A nossa meta é arrecadar dezena de milhões de reais de agora até dezembro para a gente superar os recursos públicos. Dessa forma, os dirigentes partidários devem se organizar para ir à luta para captação de outros recursos próprios”.

Ricardo Abreu Alemão

A explanação do dirigente informou que essa ação se dará em duas fases, a primeira perpassa a fase da pré-campanha que vai até dia 26 de setembro, e tem como mote receber as doações para os comitês municipais investirem em suas contas nas redes sociais.

Segundo Alemão, a ideia é que o recurso caia na conta do PCdoB municipal, para dar visibilidade às lutas políticas do partido, defendendo a frente ampla, as gestões públicas, as pré-candidaturas e o fora Bolsonaro.

A segunda fase da campanha vai do dia 27 de setembro, quando começa a campanha eleitoral propriamente dita, até o dia 15 de dezembro. Somente neste período, contou o dirigente,  o municipal pode investir nas candidaturas.

Ricardo Alemão alertou que, conforme a legislação eleitoral, não se pode impulsionar recursos partidários no período da pré-campanha, somente com recursos próprios pode-se fazer a divulgação e o impulsionamento nas páginas virtuais do comitê municipal na internet.

Colaboradores recorrentes

Com essa campanha é possível construir uma sólida e permanente rede de colaboradores recorrentes. Essa deve ser o legado dessa ação, expressou Alemão, com “progressiva independência financeira”.

Outro ponto importante, segundo o dirigente, é que independentemente dessa ação, os dirigentes continuem participando e incentivando a contribuição no Sistema Nacional de Contribuição Militante (Sincom). “Mas agora é focar nessa ampliação de captação, concentrar nesse público externo. Nos simpatizantes, eleitores e amigos com o poder aquisitivo maior”, explicou.

Alemão orienta a necessidade de se buscar as relações políticas com possíveis contribuintes que tenham uma renda maior. “Criar uma relação e comprometer ela com financiamento da campanha e conseguir as doações pontuais ou recorrentes. Esse é o objetivo nosso. É preciso dedicação de cada um”, sublinhou o secretário de Finanças.

Ação da Comunicação

O secretário nacional de Comunicação, Adalberto Monteiro fez uma explanação da ação de marketing que será desenvolvida neste período e ressaltou a relevância da pauta para sustentação financeira do PCdoB no período eleitoral.

Segundo ele, essa ação servirá para qualificar o PCdoB na esfera digital. “Essa ação ela tem um mote que tem por finalidade a arrecadação e fortalecer a capacidade de presença nas redes sociais e é um bem que vai permanecer conosco, o que a gente construir nos servirá para a batalha seguinte”, salientou o secretário.

Na exposição do plano de ação da campanha, Adalberto falou dos objetivos, forneceu os argumentos, as justificativas e as ferramentas que serão usadas pela comunicação. Segundo ele, a campanha se dará por intermédio das lideranças, dos dirigentes e dos pré-candidatos em cada localidade e para isso, “a ação de marketing se dará em âmbito nacional e municipal, de modo interligado, mas, com produção de peças nos dois polos”, explicou.

A ação de comunicação consistirá na criação da identidade visual, na ação de marketing nacional e local e na renovação da plataforma doe.pcdob.org.br.

Programa como ferramenta

Já o secretário de Organização, Fábio Tokarski, ressaltou que o tema da arrecadação financeira é complexo e mais complicado numa situação de crise. “Somos chamados a tratar de um tema complexo numa situação complexa”. Para ele, o momento vivido pelo país, de pandemia, de crise financeira forçou “uma concentração de renda ainda maior e um empobrecimento dos trabalhadores. E o nosso partido defende exatamente essa turma”.

Porém, o ex-secretário nacional de Finanças e de Planejamento do PCdoB, reforça que o período eleitoral não é momento para lamentações. “A força das nossas ideias tem que ter base material. Onde se tem força política, se tem capacidade de arrecadar”.

Dessa forma, Fábio levanta que o PCdoB tem a melhor ferramenta que é o seu programa. “Um programa amplo, apresenta saídas para o país, ele propõe esperanças. As pessoas contribuem para construir um futuro novo para o país”. Segundo ele, “mesmo na crise as nossas lideranças se acendem!”.

Pilares que financiam as ações do PCdoB

Oswaldo Napoleão que irá coordenar a ação a partir da secretaria de Administração e Finanças do PCdoB iniciou sua intervenção abordando as finanças de forma mais geral. Para ele, “é fundamental termos em tela onde se assenta o financiamento partidário”. São três os pilares que sustentam o partido, afirmou.

O primeiro pilar é o fundo partidário e eleitoral, com base nas eleições da bancada federal, e “fruto dos nossos serviços prestados ao Brasil. Onde os comunistas jogam um papel fundamental”.

O outro pilar “é fruto de conquistas das nossas militâncias”, que são os recursos da nossa contribuição militante e o terceiro, segundo Oswaldo, “é esse que as vezes deixamos de lado que é o recurso dos amigos, dos simpatizantes, os eleitores do nosso partido e dos pré-candidatos, que provém a partir do papel político que o Partido desenvolve e representa na sociedade”.

Ação a partir das cidades

Oswaldo destaca que a ação nacional de arrecadação deve ser feita a partir das cidades, cujo objetivo deve ser de atingir outras parcelas da sociedade. “Nós precisamos atuar para dentro da sociedade, das comunidades, nos ambientes onde nós desenvolvemos nossa luta pelos direitos do povo, desenvolvimento nacional, e por cidades democráticas e socialmente justas”.

“Esse incremento será dirigido diretamente para campanha eleitoral”, entretanto, lembra que a contribuição militante deve continuar. “Nós temos que manter essa contribuição, pois ela também será usada na campanha eleitoral”, lembrando que toda a produção do PCdoB é sustentada por esse recurso, além de parte do recurso que sai ainda para apoiar a estruturação dos comitês estaduais, salienta.

“A nossa ferramenta permite que possa pedir o recurso, por cartão de crédito e boleto bancário atendendo as todas as normas legais”. Oswaldo explicou que o recurso será enviado para a conta do municipal, informando quem são os doares originários, e o mesmo emitirá recibo, ou seja,” os mecanismos serão amarrados legalmente”.

Oswaldo finalizou dizendo que essa “é uma ação partidária, ou seja, deve ser realizada por todos!”

A reunião de lançamento da ação contou ainda com intervenções dos dirigentes nos estados e pré-candidatos nos municípios com perguntas e opiniões sobre a ação.