Obrador condena censura da UE a agências de notícias da Rússia

Presidente do México, López Obrador, disse que seu país manterá sempre a liberdade de imprensa.

(Divulgação)

O México não aplicará nenhuma sanção econômica contra empresas nem para restringir a liberdade de expressão em qualquer questão, particularmente no que diz respeito ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia, afirmou o presidente Andrés Manuel López Obrador, insistindo em seu interesse em manter boas relações com todos os governos do mundo, “para poder falar com as partes em conflito”.

O presidente abordou a questão durante uma conferência no Palácio Nacional, onde manifestou seu desacordo com a censura da mídia, referindo-se à decisão dos países europeus de bloquear o trabalho de informação das agências russas Sputnik e RT. “Temos que afirmar a liberdade”, disse ele. “Não pode haver um discurso duplo, um padrão duplo, não podemos estar falando de liberdade e ao mesmo tempo limitar a liberdade de expressão”, insistiu.

Da mesma forma, assinalou, o Twitter deve esclarecer a veracidade da instrução de apontar ou “riscar” as contas onde há mensagens a favor da Rússia, porque isso é uma espécie de perseguição pela opinião do povo. “Não sei se é verdade, mas desde ontem foi dito que se houver uma opinião sobre o conflito e é favorável à Rússia, eles o riscam ou colocam uma legenda em sua conta. Isso é censura”, ressaltou.

No México, acrescentou, “nunca censuraremos ninguém. Este é um país de plenas liberdades e vai continuar assim”.

Na segunda-feira, o presidente também descartou fechar o espaço aéreo do México para as companhias aéreas russas, das quais a Aeroflot mantém um voo direto entre Moscou e Cancún (sudeste), no Caribe mexicano, desde novembro passado.

Na terça-feira (1º), o Google decidiu bloquear no YouTube o canal RT e a agência de notícias Sputnik na Europa. Ao mesmo tempo, o Twitter começou a rotular as contas dos funcionários da Sputnik, medida que a agência definiu como “caça às bruxas”.

No domingo (27), a União Europeia anunciou a proibição das transmissões da RT e da Sputnik, ao mesmo tempo que determinou o bloqueio de aviões russos no espaço aéreo do bloco.