O que Engels deu a Marx e ao marxismo

Friedrich Engels e Karl Marx

Friedrich Engels foi muito mais do que o benfeitor de Karl Marx, ou o guardião de seu legado intelectual. Quando eles se conheceram, na juventude, na década de 1840, Engels já era um escritor político conhecido, que primeiro articulou alguns dos conceitos básicos do que viria a se tornar o “marxismo”.

Por Terrell Carver*

Friedrich Engels levou sua capacidade de observação para Manchester, em dezembro de 1842, tendo acabado de fazer vinte e dois anos, no mês anterior. Em novembro, a caminho de Barmen (Alemanha) para Londres, Engels parou na redação do jornal “Rheinische Zeitung” [“Gazeta Renana”], onde se encontrou com o recém-instalado editor, Karl Marx.

Marx havia chegado à redação um tanto por omissão, e certamente não por experiência. Naquele ponto, Engels havia contribuído com cerca de duas vezes mais artigos para o jornal do que Marx, e Marx havia posto apenas alguns artigos em outras publicações.

Muitos anos depois, Engels relembrou esse encontro entre os dois, dizendo que foi notavelmente bom da parte de Marx, visto que ele desaprovava o conjunto excessivamente filosófico dos jovens hegelianos de Berlim. Mas, em suas lembranças, Engels nada diz sobre os outros editores, ou mesmo como ele mesmo se sentia em relação a Marx. Deve ter ficado claro, porém, que Engels era de longe o escritor mais talentoso e, na verdade, o publicitário do “pensamento livre” e do progresso político liberalizante. E ele estava embarcando em uma aventura de tirar o fôlego para a maior potência econômica e militar do mundo, a Inglaterra, onde Engels já tinha estado antes. Seu inglês era fluente e ele estava fora dos estados alemães, para o mundo mais amplo da Grã-Bretanha imperial. Tudo isso estava muito além da imaginação de Marx na época.

As notícias da Inglaterra já despertavam algum interesse no público de língua alemã. Ou melhor, seria de interesse tópico e político, a menos que seus interesses estivessem em outro lugar – como certamente foi o caso com as elites dominantes – ou seja, em manter firmemente à distância toda noção de mudança social e inovação política. Nesse caso, quanto menos notícias sobre a Inglaterra, melhor.

Evidentemente, Engels foi contratado para continuar sua carreira na “Rheinische Zeitung” com notícias da modernidade liberalizante. Esses eram os temas estampados sob o nome do jornal: política, comércio e indústria. Escrever agudamente a partir de fontes no reino das ideias, para pessoas interessadas em ideias, era uma forma de comunicação política da qual Engels era adepto.

Como um “colaborador” de um jornal liberal, o jovem Friedrich foi um presente e tanto, e é claro que era incrivelmente barato, provavelmente de graça, ou quase isso. Ele não era apenas financiado externamente pelo comércio e pela indústria, mas também trabalhava em um grande centro metropolitano (em Manchester). Com essa formação e esse tipo de conhecimento, e residente naquele tipo de local, ele poderia adicionar uma dimensão única à sua reportagem contínua. Sua política era progressista e liberalizante, mas não – aparentemente – utópica e visionária.

No jornalismo da época nos estados alemães, alguém que pudesse escrever a partir dessa perspectiva modernizadora – que era a dos empresários-editores do jornal – era um ativo realmente valioso. E mesmo para os leitores que talvez não estivessem tão interessados nas políticas conflituosas da mudança social, escrever sobre viagens certamente podia ser agradável e, sem dúvida, ajudar a vender jornais. Viajar até a Inglaterra era raro, e os emigrantes que publicavam suas experiências como jornalismo refinado ainda mais raros.

O primeiro despacho de Engels, “The English View of the Internal Crises”, observou a política inglesa para os leitores a partir de uma perspectiva experiencial, ou seja, sua experiência com as “classes dominantes inglesas, sejam da classe média ou aristocracia” Suas experiências com a aristocracia teriam sido mínimas, já que ele não tinha conexões com essas situações exclusivas. Mas para ele as classes médias são claramente comerciais e obviamente de interesse, e ele singulariza esse tipo ideal para seus leitores como “o inglês prático”.

Este típico empresário vê a política “como uma questão de aritmética ou mesmo como um assunto comercial”. Na opinião de Engels, essa indiferença ao mundo mais amplo de ideias, ou mesmo ao “estado precário do país”, sustenta a segurança e a confiança calmas – “em meio à agitação da vida inglesa”, como ele disse – que parece ímpar.

Claramente, Engels considera o comercialismo inglês uma força social impressionante, certamente em comparação com os medievalismos reacionários nos estados alemães, e bastante diferente do autoritarismo burocratizado prussiano. Nesse contexto, as mudanças modernizadoras – se houver – deveriam ser cuidadosamente determinadas e controladas dentro do estado monárquico não constitucional e confessional cristão.

A explosão política do cartismo na vida inglesa, e na época, muito nas ruas das grandes cidades, foi um movimento pelo “’progresso legal’” e sufrágio universal – o artigo, conforme editado pela censura, não explica as citações assustadoras de Engels sobre o progresso jurídico. A principal contradição, para Engels aqui, é aquela entre a agitação das massas pelo sufrágio universal (masculino) e a classe média e os beneficiários aristocráticos do status quo.

A partir de 1832, um parlamento mal reformado e, portanto, altamente não representativo, surgindo de um eleitorado e nobreza minúsculo e privilegiado (masculino), estava firmemente no controle, “sejam Whigs ou Tories” Escrevendo analiticamente, Engels comenta que o sufrágio universal (masculino), resultante de uma década de agitação cartista, acabaria com essa complacência e “resultaria inevitavelmente em uma revolução”.

Apenas dois anos depois, apenas completando vinte e quatro anos de idade, Engels embarcou em um livro completo a ser publicado em seu próprio nome. Ele foi contratado por um editor em Leipzig, no Reino da Saxônia, onde a censura e as condições políticas eram às vezes mais fáceis do que na Prússia. O volume do livro, “Die Lage der arbeitenden Klasse in England ” (“A condição da classe trabalhadora na Inglaterra”) teve o subtítulo “De observação pessoal”. Mas o autor também acrescenta que escreveu de “fontes autênticas”.

Engels terminou o manuscrito na primavera de 1845 e, enviando-o aos editores, deixou a cidade e foi para Bruxelas, a fim de se juntar a um círculo literário radical que se mudara para lá para escapar das ameaças e frustrações da repressão neomedieval na Prússia. O livro apareceu no verão.

Dirigindo-se aos trabalhadores da Grã-Bretanha, Engels apresenta seu livro como um retrato de seus “sofrimentos e lutas” para que seus “compatriotas alemães” tenham uma “imagem fiel” de sua condição. A seriedade de suas intenções, diz, pode ser vista no uso de “documentos oficiais e não oficiais”, uma prática discursiva que os leitores de hoje reconheceriam.
No entanto, também escreveu não estar satisfeito com um “mero conhecimento abstrato do meu assunto”. Na primeira pessoa ele diz:

“Queria vê-los em suas próprias casas, observá-los em sua vida cotidiana, conversar com vocês sobre suas condições e queixas, testemunhar suas lutas contra os poderes sociais e políticos de seus opressores.”

Esse conhecimento experiencial, relata Engels, também funciona politicamente de maneira oposta. Aludindo às suas experiências de jantares, vinho do Porto e champanhe em propriedades abastadas, que seus leitores da classe trabalhadora não teriam, ele parte de sua “ampla oportunidade de vigiar a classe média” para justificar sua conclusão : “Vocês [trabalhadores britânicos] estão certos, perfeitamente certos em não esperar qualquer apoio deles.” Segue-se uma série de perguntas retóricas expondo a hipocrisia das classes confortáveis.

Sua evidente intenção era ir além das notícias e reflexões do dia para algo muito mais sinótico e – em termos metodológicos – eclético. Para leitores de língua alemã, o gênero do livro é algo alinhado ao “turismo negro”, ou seja, textos de viagens que levam o leitor a um lugar chocante.

E, como diz Engels, para leitores de língua inglesa é um alerta. Ele deixa claro que os ingleses deveriam considerar a situação uma desgraça nacional que requer uma ação política transformadora por parte do estado.

Os capítulos de abertura históricos são necessariamente escritos a partir de fontes publicadas sobre a história inglesa e geografia da paisagem, após o que o leitor viaja para “The Great Towns”, principalmente Londres e Manchester. É aqui que a observação pessoal se torna convincente.

Por um lado, o autor-observador dá-nos um panorama do porto de Londres: docas gigantes, incontáveis navios, centenas de vapores. “Um homem não consegue se recompor, mas está perdido na maravilha da grandeza da Inglaterra.” Mas quão bom é? Os londrinos “foram forçados a sacrificar as melhores qualidades de sua natureza humana”, tratando uns aos outros com indiferença brutal, um isolamento insensível no interesse privado, descarados e constrangidos. O “único acordo é o tácito, que cada um fique do seu lado da calçada”.

Isso é claramente observacional. O seguinte é experiencial: “As pessoas se consideram apenas como objetos úteis.” Aqui seu comentário adicional é abstratamente filosófico: a humanidade é dissolvida “em manadas, das quais cada uma tem um princípio separado”, há uma “guerra social, a guerra de cada um contra todos” e “o mais forte pisa o mais fraco sob os pés.” Claro, esses eram lugares-comuns, pelo menos nos círculos liberalizantes, em vez de referências filosóficas. Mas então esse era o ponto – inteligibilidade pronta e persuasão eficaz.

A mensagem era que, independentemente de classe e posição política, nessas multidões, todos “são seres humanos com as mesmas qualidades e capacidades, e com o mesmo interesse em ser felizes”. Contrariando os medievalismos hierárquicos dos estados alemães, esta é uma noção incendiária de equalização e uma abolição de privilégios de “nascimento” e “posição” e, portanto, de toda a “ordem” social.

Às vezes, a observação e a citação funcionam em conjunto. Engels identifica a Portman Square, no West End de Londres, como “muito respeitável”, mas ele pega um inquérito do legista que ilustra a proximidade de ricos e miseráveis em bairros residenciais.

Quando Engels e seus leitores chegam às cidades ao redor de Manchester, a “cidade central” do sul de Lancashire, o “solo clássico” da manufatura inglesa, os detalhes de observação na narrativa se tornam explícitos. Levando-nos a Stockport, Engels diz: “Não me lembro de ter visto tantos porões usados como moradias em qualquer outra cidade deste distrito.” E em Ashton-under-Lyne, ele diz que viu “ruas em que as casas estão ficando ruins, onde os tijolos das casas não são mais firmes, mas se movem, as paredes têm rachaduras.”

Nessas discussões, Engels inclui seus próprios desenhos de linha que ilustram os padrões de desenvolvimento desordenados, irracionais e não planejados na Cidade Velha de Manchester; a construção de “tribunais” sem ar entre os edifícios que foram construídos em linhas regulares; moradias construídas lado a lado; até métodos de corte de custos de alvenaria de má qualidade; e seu próprio mapa-guia detalhado de distritos, vias artificiais, canais, rios e ferrovias.

Mas nem tudo é miséria. Em contraste, fazemos um tour para ver “belos jardins amplos com soberbas casas”. Foram geralmente construídas no período elisabetano, isto é, no estilo Tudor falso, que, Engels diz, “é para o gótico exatamente o que a Igreja Anglicana é para o Católico Apostólico Romano”. O que interessa particularmente a Engels, e o que sua sensibilidade de observação busca, é a hipocrisia. Desta vez, é no ambiente construído, ao invés de apenas na fala ou atitude:

“A cidade é peculiarmente construída para que uma pessoa possa viver nela por anos, entrando e saindo diariamente sem entrar em contato com um bairro operário ou mesmo com trabalhadores.”

Os bairros dos trabalhadores são “nitidamente separados” das seções “reservadas para a classe média” ou escondidos entre as residências e lojas de classe alta. A “alta e média burguesia” vive fora do “cinturão” dos bairros da classe trabalhadora em “ruas regulares” ou “alturas arejadas”. Rotas de ônibus – cheias de lojas – mantém a miséria fora de vista:

“E a melhor parte do arranjo é que os membros dessa aristocracia do dinheiro podem pegar o caminho mais curto pelo meio de todos os distritos de trabalho até seus locais de negócios.”

Eles podem fazer isso “sem nunca ver que estão no meio da miséria suja que se esconde à direita e à esquerda”.

Analiticamente, o que chama a atenção nessa narração é que Engels faz o leitor entender que “tudo o que aqui desperta horror e indignação é de origem recente [e] pertence à época industrial”.

O livro atraiu atenção e notoriedade na época na imprensa de língua alemã, mas também muito mais amplamente e para o leste na Rússia czarista. Uma resenha de uma obra em língua estrangeira em um lugar tão distante, e em um assunto tão recôndito como a industrialização, poderia passar pelas censuras severas, mas bastante literais da época.

Um esquema para organizar a sociedade de alguma outra forma não está presente no texto; o mais próximo que o autor chega de tal visão transformadora é o longo capítulo sobre movimentos dos trabalhadores, cartismo e socialismo. Para Engels, os cartistas são indiferentes ao caráter essencialmente de classe de seu movimento – que defendia o sufrágio universal (masculino) e a reforma parlamentar. Dessa forma, e na visão de Engels, eles perderiam a questão do “garfo e faca” colocada pela precariedade industrial e o sofrimento da classe trabalhadora.

Como crítico político, ele explica que os socialistas são dogmáticos em seus princípios e, portanto, perdem o caráter progressista do desenvolvimento industrial e da miséria da classe trabalhadora. O verdadeiro “socialismo proletário” deve passar pelo cartismo, diz ele, “purificado de seus elementos burgueses”, chegando assim a uma “união”.

Quase ninguém, em inglês ou alemão, poderia realmente se conectar com a crítica de Engels à modernidade industrial. Isso porque não expõe em nenhum lugar visões religiosas ou utópicas, que eram um gênero facilmente inteligível na época. Nem presume que a liberalização da democracia por si resolverá a pobreza moderna por meio de reformas progressistas.

Sua escrita equilibra o toque humano da observação, mesmo que não o seu, com a visão geral do geógrafo dos sistemas físicos de produção e distribuição e a análise dos economistas políticos da sociedade em produtores da classe trabalhadora e consumidores da classe média. A geografia urbana com consciência de classe é, até certo ponto, sua invenção, embora ele raramente receba o crédito.

Em vez de produzir mais esclarecimentos sobre os fatos das condições sociais inglesas, a abordagem seguida por Engels foi resumir a economia política inglesa (embora mais propriamente britânica, para incluir os escoceses). Na época, a economia política, como ciência francesa e britânica da política econômica nacional, não era desconhecida nos círculos intelectuais alemães, mas estava em processo de recepção. A principal autoridade sobre o assunto era Friedrich List, um escritor político de mentalidade liberal que apoiava uma união aduaneira alemã, ou Zollverein e, portanto, o livre comércio dentro de uma estrutura estatal nacional. Em seu “Kritik der Nationalökonomie” (“Esboços de uma crítica da economia política”), Engels necessariamente aludiu ao “Das nationale System der politischen Ökonomie” (“Sistema Nacional de Economia Política”) de List, embora de duas maneiras: por assunto, e então por crítica filosófica. A palavra Kritik no título sinalizou essa abordagem germânica familiar. Claro, o que o título de Engels não disse é que se tratava de uma crítica comunista. A peça “Esboços” é redigida como um ensaio, evidentemente para inclusão em uma publicação comunista. A primeira tacada de Engels em seus “Esboços” não foi apenas uma expressão direta do comunismo / socialismo – provavelmente ecoando as palestras que ele tinha ouvido em Manchester de agitadores e organizadores socialistas – mas também um golpe direto na defesa de List do mercantilismo centrado no estado-nação:

“A economia política surgiu como… um sistema desenvolvido de fraude licenciada… nascido da inveja e ganância mútua dos mercadores… As nações se enfrentaram como avarentas… olhando seus vizinhos com inveja e desconfiança.”

O moderno “sistema de livre comércio”, baseado na “Riqueza das Nações” de Adam Smith, “se revela” – por meio das habilidades analíticas e críticas de Engels – como hipócrita, inconsistente e imoral. “Assim como a teologia deve regredir à fé cega ou progredir em direção à filosofia livre”, escreve, “o livre comércio deve produzir a restauração dos monopólios de um lado e a abolição da propriedade privada do outro”. Além disso, ele conclui, quanto mais próximos de seu próprio tempo esses economistas modernos estão, “mas eles se afastam da honestidade” e mais eles descem ao sofisma.

“O único avanço positivo que a economia liberal fez”, afirma, é “a elaboração das leis da propriedade privada”. Estas não foram totalmente elaborados e claramente expressas, daí sua crítica. Ele diz que em “uma questão de decidir qual é o caminho mais curto para a riqueza”, os economistas políticos “têm o direito do seu lado”. O que eles não fazem, e o que ele promete fazer, é “descobrir a contradição introduzida pelo sistema de livre comércio”.

Engels prevê isso explicando que os economistas políticos escrevem a partir da perspectiva dos consumidores, e não dos produtores. Desse ponto de vista, eles “proclamaram que o comércio é um vínculo de amizade e união entre as nações, assim como entre os indivíduos”. Mas, em contraste com essa “falsa filantropia”, as premissas da economia política, fundadas na propriedade privada, reafirmam-se nos fatos da industrialização: a teoria malthusiana da população e a “escravidão moderna” do sistema fabril.

O projeto em “Esboços” é dissipar a névoa de ofuscação, auto interesse hipócrita e deslocamento moralizante que subjaz às teorizações da economia política. Para fazer isso, Engels examina “as categorias básicas” – elas são tão “certas” quanto “contraditórias”, diz. No entanto, eles são importantes para seus leitores e, como ele prevê, para a humanidade.

Ele rejeita vigorosamente os termos de enquadramento anteriores para a ciência: riqueza nacional (como no mercantilismo), economia nacional (como na economia liberal de List, mas ainda nacionalista), até mesmo economia política ou pública. Em um breve resumo, ele rebatiza todo o estudo como “economia privada” porque “suas conexões públicas existem apenas para o bem da propriedade privada”.

Os “Esboços” então conduzem o leitor por este estudo político-econômico moderno, categoria por categoria: comércio, valor, aluguel, capital, salários. Engels conclui que temos “dois elementos de produção em operação”. Estes são “natureza e homem, com o homem novamente ativo física e mentalmente.” A atividade humana, por sua vez, é “dissolvida em trabalho e capital”. Fragmentos de propriedade privada “cada um desses elementos”.

Em outras palavras, ele conclui, “porque a propriedade privada isola todos em sua própria solidão grosseira” e “porque, no entanto, todos têm o mesmo interesse que seu vizinho, um proprietário de terras se confronta antagonistamente com outro, um capitalista com outro, um trabalhador por outro.” Portanto, nesta “discórdia de interesses idênticos” está “consumada a imoralidade da condição da humanidade até agora.” E essa consumação é competição. A competição pressupõe o seu oposto, o monopólio, que se constitui através da propriedade privada, porque só a partir dessa base pode existir. “Que meia-medida lamentável, portanto, atacar os pequenos monopólios e deixar intocado o monopólio básico!”

Depois disso, Engels assume a demanda, a oferta e os preços. Este relato descritivo e crítico moralizado derivam de suas experiências comerciais em Bremen e Manchester e não soam particularmente estranhos hoje: “O especulador sempre conta com desastres… ele utiliza tudo ”, até mesmo desastres e catástrofes. Assim, “o ponto culminante da imoralidade é a especulação na Bolsa de Valores” porque é aí que “a humanidade é rebaixada a um meio de satisfazer a avareza do especulador calculista ou do jogo”. E não deixe o comerciante “respeitável” honesto se elevar acima do jogo na Bolsa de Valores, diz Engels – sempre aquele que se lança em hipocrisias egoístas – ele “é tão ruim quanto os especuladores de títulos e ações”.

Em comum com a economia política da época, Engels escreve que o sistema competitivo de produção de commodities resultará em crises periódicas de superprodução e subconsumo. Nesse caso, algumas pessoas morrerão de fome em meio a bens não vendidos e estocados e capacidade produtiva subutilizada, enquanto outras ficarão mais ricas ou manterão sua riqueza tirando proveito da escassez.

Essa situação desumana, ele escreve, não será resolvida por meio de políticas destinadas a reduzir as populações trabalhadoras e consumidoras, como os malthusianos recomendavam. Essas ideias eram então atuais como a panaceia para curar a pobreza e, portanto, topicamente de interesse para os leitores de Engels. Mas também há acordes no texto de Engels com apelo mais contemporâneo. Ele escreve uma ladainha:

“Nenhum capital pode suportar a competição de outro se não for levado ao mais alto nível de atividade.

Nenhum pedaço de terra pode ser cultivado com lucro se não aumentar continuamente sua produtividade.

Nenhum trabalhador pode enfrentar seus concorrentes se não dedicar toda a sua energia ao trabalho.

Ninguém que entra na luta da competição pode resistir.”

Sua conclusão é que a sobrevivência neste reino de competição desumana derrota “todo propósito verdadeiramente humano”.

Engels então promete a seus leitores um tour pelo sistema fabril britânico e um relato histórico de seu desenvolvimento, obviamente com a intenção de alertar a seus leitores alemães de seu destino. E – Como fica evidente em seus comentários ao longo dos anos – ele visa antecipar e prevenir as catástrofes sociais que surgirão em circunstâncias já presentes.

Karl Marx ficou eletrizado. Ele imediatamente esboçou um “Resumo” da crítica de Engels, seguindo de perto sua apresentação das categorias econômicas. Quando Engels passou por Paris em seu retorno para Manchester, para o QG da família em Barmen, ele procurou novamente revisitar o antigo coletivo da “Rheinische Zeitung”. Nas conversas ali, parece que Marx tomou a iniciativa de propor uma colaboração entre os dois.

Seu plano era um ataque polêmico aos “críticos”, que – dentro desses círculos de Jovens Hegelianos – eram para ele insuficientemente radicais. Suas confusões políticas resultaram de suas confusões filosóficas e seu fracasso em levar a crítica da religião de Ludwig Feuerbach à conclusão lógica e totalmente política do ateísmo. Engels começou com três capítulos, seguidos por um quarto com seções de autoria separada.

Depois disso, e com a ausência de Engels, tendo voltado para a casa de Barmen, a caneta hábil de Marx fugiu com o restante do panfleto planejado e o transformou em um livro extenso. Em correspondência, Engels queixou-se de que ficou bastante perplexo com isso. No entanto, fica claro na página de rosto que ele era o autor principal, o que certamente estava certo pela reputação e experiência. Marx estava quilômetros atrás: apenas algumas dúzias de itens genuinamente publicados, a maioria em seu próprio jornal, e todos bastante breves, nada nem mesmo tão longo como um panfleto.

As edições modernas de obras coletadas complementam esse período na lista de obras de Marx com materiais manuscritos publicados postumamente, de modo que o contraste é menos óbvio. E essas edições também geralmente disfarçam a situação do autor principal, apresentando “A Sagrada Família” como um livro de “Marx e Engels”. Esta pequena falsificação segue teologicamente de uma muito posterior narrativa sobre o caráter originário e duradouro de sua parceria. Certamente Engels desconhecia essa narrativa na época, como todo mundo.

Mas já tivemos um sinal de que o jovem Friedrich está “desaparecendo” na sombra do intelecto mais dominante, embora escritor muito menos bem-sucedido, em termos de publicações e reputação. Escrevendo a Marx em uma carta datada de 22 de fevereiro a 7 de março de 1845, Engels exclama de Barmen: “A crítica ainda não chegou!” Este é o panfleto que eles concordaram em publicar juntos, embora evidentemente não escreveram juntos. Cada um deles contribuiu com seções de capítulos assinadas e criadas separadamente.

Engels continua: “Seu novo título, “Die heilige Familie” (“ A Sagrada Família ”), provavelmente me deixará em apuros com meu pai piedoso e já muito irritado, embora você, é claro, não pudesse saber disso.” Essa observação parece indevidamente deferente. Afinal, Marx certamente poderia ter sabido ou adivinhado quais seriam as consequências familiares para seu coautor em um estado e localidade repressivamente cristãos, mesmo que alguns membros iluminados de seu próprio círculo familiar considerassem tal blasfêmia divertidamente inconsequente.

Engels então diz: “Vejo pelo anúncio que você colocou meu nome em primeiro lugar”. Isso parece, novamente, respeitoso e falso – para Marx, o raciocínio teria sido óbvio. “Por quê?” Engels pergunta. “Não contribuí com praticamente nada e qualquer um pode identificar o seu estilo.” Marx realmente fugiu com o projeto, e Engels está lhe dando licença para fazer isso e assumir a liderança.

Outros deixaram a companhia de Marx, de uma forma ou de outra. Engels, não. Aufwiedersehen dem Jüngling. Adeus a Engels antes de Marx.
__

*Terrell Carver é professor de teoria política na University of Bristol