Nésio Fernandes: “Imunização no Brasil é política de Estado”

Foto: Sesa/ES

O secretário de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, membro da direção nacional do PCdoB, se manifestou, pelas redes sociais, a respeito do recuo do Ministério da Saúde sobre a vacinação contra a Covid-19 de adolescentes sem comorbidades. A nova orientação foi tornada pública nesta quarta-feira (22), uma semana após o ministro Marcelo Queiroga criticar o fato de os estados estarem antecipando a imunização desta faixa etária.

“Imunização no Brasil é política de Estado”, disse Nésio. Por isso, explicou, decisões e posições de governo precisam ser prudentes, especialmente “ao se opinar, sem base técnica, sobre temas protegidos na comunidade de gestores, de técnicos, das sociedades/entidades científicas, das instituições acadêmicas e até do sistema de justiça”.

O secretário avalia que “corrigir formalmente a decisão é um importante passo, mas será preciso forte campanha oficial pela vacinação dos adolescentes para superar o dano causado à confiança na opinião de parcela da população”.

Nésio acrescentou que com a retomada da vacinação dos adolescentes no Plano Nacional de Imunização, “não há mais base no SUS que sustente teses anti-vacinas”. Retificada a decisão que condenou a vacinação dos adolescentes, disse, “retomamos um ambiente de normalidade administrativa na gestão tripartite do SUS”.

Além disso, Nésio defendeu que novos temas precisam ser tratados no que diz respeito à imunização contra o coronavírus e à saúde pública, tais como “a redução do intervalo da dose de reforço, reforço para trabalhadores da saúde e a vacinação das crianças, a retomada das cirurgias/procedimentos eletivos e o financiamento do legado de leitos de enfermaria e UTI ampliados nas unidades federativas”.

 

Por Priscila Lobregatte