Luciana destaca que luta contra o racismo e a opressão deve ser diária

Foto: Diego Galba/VG

A presidenta nacional do PCdoB e vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos, usou as redes sociais nesta quarta-feira (1º) para destacar a importância da luta contra o racismo para além do mês da consciência negra, celebrado em novembro. E, ao tratar da escravidão e do colonialismo, fez referência à ilha de Barbados, que nesta segunda-feira (29) se tornou oficialmente uma república, tendo como primeira presidenta uma mulher negra: Sandra Mason.

“Novembro, mês da consciência negra, se encerrou ontem. Mas a luta contra o racismo, contra a opressão do povo negro, por sua liberdade e por um mundo diverso e de equidade é todo dia. Quero começar dezembro com uma imagem cheia de símbolo. Esta semana, Barbados rompeu com o antigo laço colonial britânico e se declarou oficialmente uma república”, disse Luciana.

A dirigente comunista destacou ainda que “a ilha mais oriental do Caribe foi, na região, um centro do modelo de produção baseado na escravidão e conhecido como plantation. Lá, como cá, a exploração dos negros trazidos da África ajudou a construir a riqueza do colonizador”.

Após quase quatro séculos sob o comando da coroa britânica, disse Luciana, “Barbados retirou o título de chefe de Estado da rainha Elizabeth II. Tem agora Sandra Mason, uma mulher negra, como sua presidenta e Mia Mottley, outra mulher negra, como primeira-ministra. A cantora Rihanna, também negra e nascida no país, foi declarada heroína nacional. É um símbolo. Viva o povo negro! Viva a autodeterminação dos povos!”.

 

Por Priscila Lobregatte