Lideranças do PCdoB alertam para caos humanitário no Brasil

Foto: Alex Pazuello/Semcom/via Fotos Públicas

A gravidade do atual momento da pandemia levou duas das principais lideranças nacionais do PCdoB a reafirmarem, pelas redes sociais, nessa quarta-feira (3), a urgência de haver medidas céleres em defesa da vida e apontarem os graves efeitos do negacionismo e da irresponsabilidade do governo Bolsonaro no agravamento da pandemia que assola a população brasileira.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, enfatizou: “Quando falamos em responsabilidades, perante as leis e a história, alguns dizem que ‘não é a hora’.  Mas, pelo menos, que mudem agora as atitudes diante de centenas de milhares de mortos. E de milhões que sofrem. Não existirá recuperação econômica com esse caos humanitário”.

Repercutindo notícia que mostra hospital particular de Porto Alegre alugando contêiner para guardar corpos de vítimas da Covid, o governador comentou: “Impossível entender a inércia e o desprezo de altas autoridades, diante desse caos, o pior da história do Brasil”.

A coordenadora do Instituto E Se Fosse Você? e ex-deputada Manuela d’Ávila apontou: “Bolsonaro e seu governo da morte transformaram o Brasil numa catástrofe sanitária mundial”.

Manuela destacou que “precisamos coletivamente nos comprometer com o combate ao coronavírus, seguir as medidas adotadas pela bandeira preta e cuidar de quem está à nossa volta. A luta contra o negacionismo, pela vacina e pela volta do auxílio de 600 reais continua!”.

Na terça-feira (2), Manuela comentou que “na última semana, o mundo viu as mortes por Covid caírem 6%. No Brasil elas aumentaram em 11%. Alguém tem dúvida de quem são os responsáveis? Bolsonaro e seus seguidores! Negacionistas assassinos!”.

 

 

Por Priscila Lobregatte