José Carlos Ruy: Vitória de Malala contra o obscurantismo

Malala rprior to meeting the DSG SG Meets Photo Opportunity: The Secretary-General and Ms. Malala Yousafzai Special Event: Interactive conversation to mark 500 Days of Action for the Millennium Development Goals (MDGs) Participants: The Secretary-General; The President of the General Assembly 68th session; Malala Yousafzai, Education Advocate and Co-founder of the Malala Fund; Amy Robach, News Anchor with ABCÕs Good Morning America.

A jovem Malala

Foto: ONU/divulgação

Ao comemorar seu 16º aniversário, em 12 de julho de 2013, a jovem  mulher Malala Yousafzai foi convidada a pronunciar um discurso perante a Assembleia da Juventude, na ONU, onde afirmou: “Vamos pegar nossos livros e canetas. Eles são nossas mais poderosas armas. Uma criança, um professor, uma caneta e um livro podem mudar o mundo.”

Por José Carlos Ruy*

Malaia, protagonista deste esforço para mudar o mundo e vencer o obscurantismo e a ignorância, acaba de se formar – aos 22 anos de idade – na Universidade de Oxford (Reino Unido), como anunciou em uma mensagem nas redes sociais, nesta sexta-feira (19): “Difícil expressar minha alegria e gratidão agora, ao concluir meu curso de Filosofia, Política e Economia em Oxford. Não sei o que está por vir. Por enquanto, serão filmes na televisão, ler e dormir.”

Nascida no Paquistão, em 12 de julho de 1997, Malaia ficou conhecida depois de ser baleada na cabeça por um miliciano talibã, dentro de um ônibus escolar. Foi em 9 de outubro de 2012 e ela estava com duas colegas. O talibã, que dominou o Paquistão naquela época, havia proibido que meninas frequentassem a escola.

Desde então Malala se destacou na luta pelo direito à educação, contra a opressão da mulher e contra o obscurantismo fundamentalista religioso. Sua militância foi reconhecida e, em 2014, tornou-se a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz.

A trajetória de Malala, em sua formatura comemorada nesta sexta-feira, é um símbolo da luta da juventude e das mulheres pelo direito do acesso de todos, meninas e meninos, à educação e ao desenvolvimento das potencialidades humanas de cada um.

Como disse a astronauta dos EUA, em resposta ao anúncio feito por Malala nas redes sociais, Anne McClain, “o mundo tem sorte de ter você nele.”

______
As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB