EUA retira petróleo roubado da Síria com 130 caminhões-tanque por dia

Caminhões-tanque dos EUA carregados de petróleo atravessam o sudeste da Síria

(SANA)

Durante esta quarta-feira (2) foi retirada da Síria uma enorme quantidade de petróleo assaltado na região de Hasaka, através de 130 caminhões-tanque.

O comboio se dirigiu da região para outra região árabe ocupada, no norte do Iraque, nas proximidades da aldeia Al Mahmoudyia, informa reportagem da agência Syrian Arab News.

O corredor para a passagem do petróleo roubado foi aberto por forças norte-americanas apoiadas por terroristas do grupo autodenominado de “Forças Democráticas Sírias”.

Síria exige retirada de tropas dos EUA

O Ministério das Relações Exteriores da Síria exigiu a retirada do contingente de tropas dos Estados Unidos do nordeste do país, no momento em que foi realizada uma tentativa do grupo terrorista Daesh de ocupar uma prisão na província de Al-Hasakah, informou a agência estatal SANA.

“A República Árabe da Síria condena mais uma vez as ações que levaram à deslocação de milhares de cidadãos sírios e que agravaram seu sofrimento e exige a retirada do contingente militar dos Estados Unidos”, afirma a declaração da chancelaria.

A declaração oficial de Damasco, destaca que as ações das milícias curdas junto com a Força Aérea dos EUA levaram à destruição de infraestruturas na região.

As forças militares dos EUA controlam ilegalmente territórios do norte e nordeste da Síria nas províncias de Al-Hasakah, Deir ez-Zor e Raqqa, onde se encontram os maiores depósitos de petróleo e gás do país árabe. Damasco tem qualificado em várias ocasiões como ocupação militar a presença de forças norte-americanas, denunciando como pirataria estatal o transporte ao exterior do petróleo e até trigo roubados nessas regiões.

No dia 9 de janeiro, a agência SANA noticiou que os Estados Unidos estariam construindo na província de Al-Hasakah uma refinaria de petróleo, em conjunto com o bando FDS, com a capacidade de produzir 3.000 barris por dia de combustíveis.

A chancelaria síria acrescentou que “milhares de famílias foram forçadas a deixar suas casas para buscar refúgio em território controlado pelo governo sírio”, afirmando também que as ações das forças americanas e das FDS “equivalem a crimes de guerra e crimes contra a humanidade”.

Em 20 de janeiro, os meios de comunicação sírios informaram que terroristas do Daesh tinham tentado fugir de uma prisão em Al-Hasakah, no território controlado pelas FDS.

E logo depois, em 22 de janeiro, o canal de TV Al-Arabiya relatou que as FDS, apoiadas pelo Exército dos EUA, tinham lançado um assalto à prisão, parte dos edifícios da qual ainda está nas mãos dos milicianos do Daesh.

Recentemente, o Ministro do Petróleo e Recursos Minerais da Síria, Bassam Tomeh, estimou em mais de US$ 92 bilhões as perdas diretas e indiretas da Síria com a pirataria dos EUA do setor de petróleo sírio. Após a posse de Joe Biden, não houve nenhuma mudança em relação à política de Trump de roubo do petróleo sírio sob a mira de armas dos marines.