EUA - Convenção Republicana: mentiras e não estatísticas

Na convenção republicana, na segunda-feira (24), Trump Jr mentiu sobre a ação do governo contra o coronavírus | Paul Sancya / AP

Por Mark Gruenberg (*)

Mark Twain disse uma vez: “Existem três tipos de mentiras: mentiras, mentiras malditas e estatísticas”.

Bem, os oradores da Convenção Nacional Republicana em Charlotte (Carolina do Norte), se envolveram em algo pior: mentiras, malditas mentiras e nenhuma estatística – especialmente sobre a pandemia do coronavírus.

A partir das 8h30 do dia 25 de agosto, 5,742 milhões de pessoas nos EUA testaram positivo para o vírus desde o início da pandemia em 13 de março, e houve 177.312 mortes. Você não saberia disso se ouvisse o desfile de elogios do Partido Republicano ao seu indicado para um segundo mandato presidencial, Donald Trump.

O mentiroso líder? – o filho de Trump, Donald Jr. Ele disse que quando o vírus “começou a se espalhar, o presidente agiu rapidamente e garantiu que os respiradores chegassem aos hospitais que mais precisavam”.

Trump Jr. também disse que Trump “entregou PP e E” – ele nem mesmo acertou o nome – “para nossos bravos trabalhadores da linha de frente” e que Trump “reuniu o poderoso setor privado dos EUA para enfrentar este novo desafio”.

Alguém diga isso ao governador Larry Hogan (Rapublicano, Maryland). Ele não está na convenção. Hogan achou seu estado tão carente de equipamento pessoal de proteção (EPI) que secretamente enviou sua esposa coreana para negociar com sucesso com os fabricantes coreanos 500.000 kits de teste de coronavírus.

E então, para evitar que agentes de Trump apreendessem os kits negociados, Hogan os levou de avião na calada da noite e cercou a van enviada para buscá-los com tropas estaduais para evitar um possível ataque federal para pegar os kits.

O governador J.B. Pritzker (Democrata, Illinois) fez quase a mesma coisa com as máscaras N95, mas teve que fretar dois aviões de carga para obter as máscaras na China.

Em julho, o republicano Hogan escreveu em um artigo de opinião no “Washington Post”, dizendo que esperar pela ação do presidente “era inútil”.

“Se atrasássemos mais, estaríamos condenando mais cidadãos ao sofrimento e à morte.”

E alguém disse que a frase “reuniu o setor privado” ao National Nurses United (NNU – União Nacional das Enfermeiras) surgiu de uma ampla gama de grupos de provedores de saúde que exigiram, em 28 de julho, que Trump invocasse a Lei de Produção para a Defesa, para forçar as fábricas dos EUA a produzirem máscaras, respiradores e outros EPIs.

“Precisamos que o presidente Trump use o Defense Production Act (DPA – Lei de Produção para a Defesa) para ordenar a produção em massa de PPE,” disse a diretora executiva do NNU, Bonnie Castillo. A única vez que Trump usou a lei por esse motivo foi para forçar a GM a produzir respiradores. E não durou muito.

A verdadeira história, claro, é que Trump desperdiçou vários meses cruciais, minimizando a pandemia, prevendo que ela “iria embora” e, em seguida, anunciando curas milagrosas, incluindo aconselhar pessoas infectadas a beber água sanitária. Ele só usa máscara quando vai a um hospital. “As máscaras também causam problemas”, disse ele.

Mas Trump invocou o DPA outra vez, que não foi mencionada por Trump Jr. ou qualquer outra pessoa: forçando trabalhadores de frigoríficos a voltarem ao trabalho, apesar da recusa de seus patrões em protegê-los do vírus por meio de distanciamento social, separações, desaceleração das linhas de produção, dando tempo para a lavagem das mãos e fornecendo as máscaras e respiradores.

Isso perturba o presidente da United Food and Commercial Workers (Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Alimentos), Marc Perrone, que viu dezenas de milhares de trabalhadores da fábrica em seu sindicato terem resultado positivo e mais de 100 morrerem.

E o dano continua, disse Perrone. Ele fechou um acordo em 14 de agosto, no Departamento de Agricultura de Trump com o lobby dos frigoríficos para permitir que a indústria se autofiscalizasse contra o coronavírus. Desnecessário dizer que esse acordo não foi mencionado na Convenção Republicana.

“Este acordo é um ultraje e deixa claro que o governo Trump não se preocupa em proteger os bravos trabalhadores dos frigoríficos que ajudam a alimentar as famílias”, disse Perrone. “Durante a pandemia, os empregadores continuaram a manter os trabalhadores e o público em geral no escuro sobre doenças nas fábricas, enquanto tentavam se proteger de qualquer responsabilidade pelo papel que desempenharam na perda de vidas.”

Oradores, especialmente Trump Jr., também se gabaram de que Trump aplicou uma quarentena de viagens à China após o surto de coronavírus naquele país. Trump fez isso, mas só depois que 39 outras nações o fizeram e depois que as companhias aéreas dos EUA fechassem suas rotas na China.

“A AFA está pedindo uma orientação clara do governo às companhias aéreas dos EUA para reduzir as viagens à China até que a disseminação do coronavírus seja contida”, disse Sara Nelson, presidente da Associação de comissários de bordo-CWA, em 31 de janeiro, antes da proibição de Trump de viagens à China.

“O governo deve trabalhar com nossas companhias aéreas para interromper todos os serviços, levando em consideração a evacuação da tripulação de vôo e considerando o serviço que facilita os esforços dos funcionários de saúde pública para conter a disseminação do vírus… Precisamos de uma liderança responsável de nosso governo, e precisamos disso agora.”

Trump posteriormente impôs a proibição de viagens à Europa, que também não foi mencionada na convenção. Mas a Europa controlou o coronavírus – e desde então impôs uma proibição de viagens aos EUA. Adivinhe por quê.

E não foi mencionado nos discursos do Partido Republicano: o elogio anterior de Trump à resposta do presidente chinês Xi Jinping ao vírus, que Trump agora, de forma racista, chama “o vírus da China”.

Essa calúnia atraiu uma repreensão do candidato democrata à presidência Joe Biden. “A maneira como ele lida com as pessoas com base na cor de sua pele, sua nacionalidade, de onde são, é absolutamente repugnante”, disse Biden em julho, quando questionado sobre a expressão “vírus da China”. “Tivemos racistas e eles existiram. Eles tentaram ser eleitos presidente. Ele é o primeiro.”

(*) Mark Gruenberg dirige o escritório de People’s World em Washington. E é editor da Press Associates Inc. (PAI), um serviço sindical de informações.

*