Desemprego e fim do Bolsa Família podem deixar milhões na miséria

(William West/AFP)

Os brasileiros vivem dias de grande incerteza com a atual política econômica do governo Bolsonaro. Levantamento publicado nesta segunda, 22 de novembro, pela agência de classificação de risco Austin Rating, mostra que o desemprego no Brasil é o 4º maior entre os 44 países mais ricos do mundo. O país tem duas vezes mais desempregados do que a média mundial e é a pior taxa entre os 20 países mais ricos.

Por Vanessa Grazziotin*

São quase 14 milhões de pessoas sem trabalho, segundo dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Junto com a falta de trabalho vem uma inflação de quase 11% no acumulado dos últimos 12 meses, com maior impacto para as camadas mais pobres da população.

Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o indicador de inflação por faixa de renda confirma que os mais pobres sofrem mais. Para famílias com renda acima de R$ 16.500, a inflação foi de 7,11% nos últimos 12 meses. Para os que ganham abaixo de R$ 1.650,00 por mês, o índice ficou em 10,05%, diferença de quase 30%.

O aumento do gás de cozinha, reajustado 14 vezes nos últimos três anos; da energia elétrica e do preço dos alimentos respondem por esse impacto maior nas camadas mais vulneráveis.

Diante da falta de credibilidade e da incompetência para gerir a economia, o governo Bolsonaro extingue o Bolsa Família e cria o tal Auxilio Brasil, que atende menos pessoas, pois milhares dos que tinham acesso ao Bolsa Família não se enquadram no perfil exigido para o Auxilio Brasil. Além disso, ele só tem validade até o final do próximo ano, sem nenhuma garantia de que existirá depois disso, há muitas incertezas sobre sua viabilidade. É um claro programa eleitoreiro, numa tentativa de se reeleger no próximo ano.

O fim do Bolsa deixou 25 milhões de pessoas sem renda, numa situação desesperadora. Junte-se a isso, o fim do auxílio emergencial, programa que salvou vidas durante a pandemia, graças à atuação do Congresso Nacional. Se dependesse do governo Bolsonaro, ele nunca teria existido. Como as famílias vão sobreviver sem esse dinheiro?

Ao longo de 18 anos de existência, o Bolsa Família foi considerado como um dos melhores no mundo e um modelo a ser replicado em outros países para viabilizar distribuição de renda.

No seu último mês, o Bolsa Família atendeu 14,84 milhões de beneficiários. Entre 2001 e 2015, o Bolsa Família foi responsável por uma redução de 10% da desigualdade no país.

O programa Auxílio Brasil depende da aprovação da PEC dos Precatórios. Aprovada em dois turnos na Câmara, essa PEC enfrenta mais resistência no Senado, ambiente menos dependente das emendas federais. Se não conseguir sua aprovação, o máximo que o governo pretender fazer é prorrogar o auxílio emergencial de R$ 220,00 por mais um ano.

Podemos viver no próximo período, uma séria situação de miséria extrema para milhões de pessoas desassistidas.

Não acreditamos que o governo Bolsonaro vá seguir por outro caminho e olhar para os mais pobres. Por isso, é fundamental tirar Bolsonaro da cadeira de Presidente, para evitar que milhões de brasileiros morram de fome e a economia alcance o fundo do poço.

__

*Secretária nacional da Mulher do PCdoB. Foi dirigente estudantil e sindical; vereadora em Manaus, deputada federal e senadora da República pelo PCdoB Amazonas. Foi procuradora da Mulher no Senado.  

(Artigo publicado originalmente no portal Brasil de Fato)

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB