Daniel: Brasil seguirá em frente e Bolsonaro irá para lixo da história

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A dois meses da eleição de 2 de outubro, uma nova pesquisa reiterou que Lula está à frente na disputa. O levantamento feito pela Quaest e divulgado nesta quarta-feira (3) mostra o ex-presidente com 44% das intenções de voto no primeiro turno, contra 32% de Bolsonaro.

A pesquisa foi a campo antes de Luciano Bivar anunciar ter desistido da corrida presidencial. Janones também abriu mão da eleição ao Planalto para apoiar a candidatura de Lula. Com esse cenário, o ex-presidente teria 51% dos votos válidos e poderia vencer a eleição já no primeiro turno, em 2 de outubro.

Para o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), os eleitores já sabem qual a decisão a ser tomada  e vão destinar a Bolsonaro o lixo da história. “Os brasileiros querem resgatar a nossa democracia, reconstruir o nosso país em todas as dimensões, preservar o Estado Democrático de Direito, respeitar a nossa Constituição, cuidar dos direitos dos trabalhadores, gerar empregos, recuperar a infraestrutura do nosso país, completamente destruída pelo desgoverno do Bolsonaro, e preservar vidas, para que tragédias como a que se verificou na pandemia não voltem a acontecer”, pontuou.

Segundo ele, o governo Bolsonaro não quer discutir o Brasil e se esquiva de encontrar saídas para problemas que assolam a população, como a fome, o desemprego.

“As pessoas não estão conseguindo comer, não estão conseguindo comprar o botijão de gás, não estão conseguindo emprego. As reformas de Bolsonaro transformaram-se em grandes “deformas” contra os trabalhadores e o povo brasileiro. Está muito fácil tomar uma decisão nesta eleição. De um lado, temos um projeto de reconstrução, de estabilidade, de segurança, de defesa das instituições e do processo democrático, além da esperança que o povo brasileiro deposita naquela pessoa que representa este projeto, o Luiz Inácio Lula da Silva. Do outro lado, temos a angústia do desgoverno que representa o governo Bolsonaro. Essa é a decisão que está sendo tomada a cada dia”, disse.

Da redação
(PL)