Chile: Boric lidera pesquisas e recebe apoio de prefeitos

Gabriel Boric, candidato de oposição a presidente do Chile pela coalizão Aprovo Dignidade.

(Prensa Latina)

As pesquisas realizadas nas últimas semanas antes do segundo turno para as eleições presidenciais no Chile indicam que Gabriel Boric, candidato do Pacto Aprovo Dignidade, está na frente do candidato pinochetista – também apelidado de ‘Bolsonaro chileno’ – José Kast, da Frente Social Cristã. A sondagem feita pela empresa Criteria entre 25 e 29 de novembro e divulgada na quinta-feira (2) aponta que se as eleições fossem no próximo domingo, o deputado Boric obteria 54% dos votos, ante 46% de Kast.

O maior apoio ao candidato progressista está na população entre 18 e 29 anos, entre os quais chega a 71%, e também entre as votantes mulheres, com 59%. Já Kast chega a 55% entre os eleitores de renda mais alta e é forte entre os adultos mais velhos: atinge 62% entre aqueles com mais de 62 anos de idade e 60% no segmento entre 55 e 64.

65% dos entrevistados disseram estar “insatisfeitos” com os resultados do primeiro turno, realizado em 21 de novembro, onde o reacionário Kast venceu com 27,9% (um milhão e 961 mil votos) contra 25,8% (um milhão e 814 mil) de Boric.

Já a empresa TúInfluyes informou que na pergunta “se a eleição fosse no próximo domingo, em quem você votaria para presidente?”, Boric obteria 54% das preferências contra 41% de Kast, ou seja, 13 pontos de vantagem. Esta pesquisa não atingiu os 7 milhões de pessoas que se abstiveram, foi direcionada só aos que afirmaram ter votado no primeiro turno e que votarão também no segundo, fato que revela uma grande transferência de votos para Boric.

O sociólogo Axel Callís, diretor da empresa, indicou que o que é relevante nos resultados é que os números favoráveis a Boric se repetem em todas as pesquisas conhecidas durante a semana.

“Já temos quatro pesquisas que mostram a mesma tendência com magnitudes diferentes.

Devemos esperar até sábado 18 (quando começa o impedimento para divulgá-las), pois com certeza haverá mais estudos para confirmar essa linha ou não. Tenho a impressão de que está estável, mas depois do programa eleitoral poderá surgir alguma variação (o período de propaganda na televisão e na rádio começa na próxima semana), e tem o debate na segunda-feira 13 “, expressou.

No país estão habilitados a votar 14.959.945 eleitores e, no primeiro turno, o Serviço Eleitoral registrou 7.115.590 votos.

Na quinta-feira (2), um grupo de 110 prefeitos declarou apoio ao candidato do Aprovo Dignidade. “Estamos em um momento crucial para nosso país. Vivemos uma crise institucional, uma pandemia e décadas de desigualdade, que atingiu duramente milhões de chilenos. Se não forem feitas mudanças com responsabilidade, a crise que vivemos hoje continuará se prolongando”, expressaram em documento. Segundo o jornal El Mostrador, a carta foi assinada pelos prefeitos das principais cidades do país, como por Irací Hassler (Santiago, capital), Jorge Sharp (Valparaíso), Daniel Jadue (Recoleta), Emilia Ríos (Ñuñoa), Macarena Ripamonti (Viña del Mar), Claudia Pizarro (La Pintana), Claudio Castro (Renca) e Roberto Neira (Temuco), entre outros.

“Como prefeitas e prefeitos conhecemos o verdadeiro Chile. Vivemos sua diversidade de mar e cordilheira, rural e urbano. Visitamos nossos bairros e cidades todos os dias, testemunhando, com dor, a enorme desigualdade territorial que existe em nosso país”, assinalaram na carta em que observaram que esses territórios se tornaram “zonas de sacrifício” por causa da “ambição de poucos e a omissão do Estado”. “Viver bem deveria ser um direito de todos, não o privilégio de algumas comunas”, indicaram.

“O que nos move, e ainda mais neste tempo que se inicia, é a esperança. A esperança em um país de irmãos e irmãs, a esperança na possibilidade de gerar uma sociedade cada vez mais inclusiva, comunicativa, compassiva e plena de bondade, que se verifique num sistema tributário mais equitativo e que diminua tantos privilégios dos mais ricos e poderosos do nosso país”, acrescentaram.

Boric teve ainda o apoio dos torcedores dos principais times de futebol do país. As torcidas organizadas dos clubes Melipilla, Colo-Colo e da Universidade Católica exibiram suas bandeiras contra o fascismo no último dia de jogos. Eles repudiaram a possibilidade de que o candidato de extrema direita José Antonio Kast se torne o próximo presidente chileno com bandeiras e faixas com consignas como: “Não ao Fascismo”, “Não à ditadura de Kast”, entre outras.