Carestia tira leite, óleo de soja e carne da mesa dos brasileiros

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Os brasileiros estão deixando de consumir até os produtos mais básicos da cesta de alimentos, como leite, óleo e carne. Um levantamento da empresa de inteligência Horus dirigido a esses três itens observou que, à medida que os preços subiram, os alimentos saíram dos carrinhos de compras. A partir da análise de 35 milhões de notas fiscais de supermercados em todo o Brasil, foi verificado que, em abril, o leite longa vida estava presente em 14,2% das compras, enquanto no ano passado 15,9% das compras continham o item.

No mesmo período, o preço médio do litro de leite passou de R$ 4,29 para R$ 7,25 – um aumento de 69% em 12 meses, segundo os registros da pesquisa.

O óleo de soja, por sua vez, teve aumento de 75,1% de um ano para o outro. Em abril do ano passado, o litro custava R$ 9,60 e passou a custar, em média, R$ 16,81 este ano. Com isso, o consumo foi reduzido de 7,1% das compras para 6%. No caso da carne bovina, a redução da presença nos carrinhos de compras foi de 5,9% para 5,3% em 12 meses. O preço da carne saltou de R$ 29,66 em média para R$ 31,47 (+6,1%).

“A inflação está muito difusa, muito espalhada nos produtos. Vai ficando uma situação difícil para o consumidor, porque vai atingindo aqueles produtos mais básicos. Está tudo muito caro”, disse Luiza Zacharias, diretora da Horus, em reportagem para o UOL.

Cesta Básica chega a r$ 884,97 no Rio

Em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, a Horus realizou um levantamento que mostra que o valor médio da cesta de alimentos básicos teve aumento recorde em abril na comparação com março desde ano, alcançando variação de mais de 10% em algumas capitais.

As cestas mais caras do país foram identificadas no Rio de Janeiro, onde o conjunto de alimentos básicos custa R$ 884,97; e em São Paulo, onde atinge R$ 867,41. Esses valores correspondem a mais de 70% do salário-mínimo atual, de R$ 1.212,00.

O aumento recorde e o espalhamento do aumento de preços entre os produtos são mais uma demonstração do grave processo inflacionário no Brasil no governo Bolsonaro. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), índice considerado a inflação oficial do país, já acumula alta de 12% em 12 meses. Os itens da cesta básica, incluindo alimentos e produtos de higiene e limpeza, teve variação de 103% no período.