Antes odiado, Centrão agora poderá controlar o destino de Bolsonaro

Jair Bolsonaro (sem partido)

(Foto: Alan Santos)

A queda acentuada da aprovação do governo e a diminuição nos percentuais na corrida eleitoral rumo à reeleição fazem Bolsonaro cada dia mais refém do Centrão.

Por Wadson Ribeiro*

A CPI que acontece no Senado Federal tem servido para expor ao Brasil o completo despreparo da gestão no enfrentamento da crise. Aliadas a isso, denúncias de corrupção no Ministério da Saúde e no entorno do presidente tornam mais claras as possibilidades de queda do presidente, levando o mesmo a uma entrega quase que total do comando do governo, das emendas parlamentares, do orçamento e dos cargos.

Na campanha eleitoral, Bolsonaro se referia ao Centrão como uma espécie de “câncer da política”. Hoje prepara uma reforma ministerial, que deverá ser anunciada no início da próxima semana. O senador Ciro Nogueira (PP-PI) deverá assumir como ministro-chefe da Casa Civil. Outras acomodações políticas buscarão dar mais espaços às estrelas do “bloco” com o intuito de proteger o governo dos ataques e desgastes que a CPI do Senado têm produzido. Com mais espaços ofertados ao Centrão, mais promessas de apoios e de lealdade para aprovar as matérias do governo e evitar o impeachment.

As atitudes do presidente da República até aqui relatadas nos depoimentos dão largo conteúdo de provas que caracterizam atos de prevaricação, usurpação de função pública, charlatanismo, entre outros crimes cometidos. Bolsonaro sabe que se não der os anéis para o Centrão poderá perder os dedos. Ou seja, se não contabilizar votos no Senado, a casa poderá produzir um desfecho da CPI que fortaleça a abertura de um processo de impeachment. Na Câmara, o vice-presidente, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM) já deu o recado e disse que, se na condição de presidente em exercício da Casa, gozar de prerrogativas para acatar um dos inúmeros pedidos de impeachment engavetados por Artur Lira (PP-AL), assim o fará.

Em outro front que até agora não havia aparecido com tanta força em função da pandemia, as ruas vão criando uma agenda de mobilizações cada vez maiores, a exemplo do que outros países vizinhos da América Latina fizeram recentemente. Com tendência de aglutinar não apenas a esquerda, mas também setores liberais e de centro direita, como o MBL, PSDB e segmentos que apoiaram Bolsonaro em 2018, o movimento poderá se tornar amplo e, dessa forma, não ser acusado de algo apenas dos comunistas, mas sim de um conjunto de setores políticos e sociais que, mesmo divergindo sobre vários aspectos da vida nacional, buscam estar unidos com o objetivo maior de defesa da democracia e contra esse governo com fortes traços fascistas. As passeatas convocadas para o próximo sábado, o 24JForaBolsonaro, poderão ser maiores e mais representativas que as anteriores.

Ao entregar o governo para o Centrão, Bolsonaro faz um jogo arriscado. Enquanto for possível e benéfico para os objetivos de voltarem reeleitos à Câmara em 2023, os parlamentares do Centrão apoiarão Bolsonaro, mas quando sentirem suas reeleições ameaçadas pularão do barco. Não vejo Ciro Nogueira e Arthur Lira abraçados no Piauí e em Alagoas, respectivamente, com Bolsonaro ou mesmo qualquer outro deputado do Centrão da região, se Lula mantiver a força que tem no Nordeste. Bolsonaro precisa atrair pedaços do Centrão para esvaziar uma possível terceira via, ou mesmo barrar uma diáspora no sentido à Lula. O Centrão poderá levar Bolsonaro a concluir seu mandato, mas muito dificilmente terá papel em sua reeleição. Carregarão a alça do caixão até a cova, mas não pularão dentro dela com o defunto.

Nesse jogo entre Bolsonaro e o Centrão não há inocentes, resta saber quem vai trair primeiro. A sanção ou veto do novo Fundo Eleitoral será um bom teste.

__
*Presidente do PCdoB -MG, foi presidente da UNE, da UJS, deputado federal e secretário de Estado de Minas Gerais.

(Artigo publicado originalmente no portal Hoje em Dia)

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB