Altamiro Borges: redes de TV se unem contra ministro Queiroga

O ministro Marcelo Queiroga, também já apelidado de “Marcelo Quedroga”, conseguiu unir todas as emissoras de TV na crítica à sua decisão de suspender a vacinação de adolescentes contra a Covid-19. Até as tevês mais bolsonaristas, como o SBT e a Record, rechaçaram a medida do capacho do presidente genocida.

Por Altamiro Borges*

O “Jornal da Record”, por exemplo, deu ampla cobertura ao caso. O telejornal mostrou a decepção de pais com a nova orientação, observou que ela rasga uma nota técnica do próprio Ministério da Saúde, relativizou as alegadas reações adversas (0,04% dos vacinados) e deu voz a técnicos e políticos contrários à medida.

Já no “SBT Brasil”, do mercenário Silvio Santos – que tem seu genro como ministro das Comunicações do laranjal –, a decisão de “doutor” Marcelo Queiroga também foi detonada por especialistas. O telejornal afirmou que a medida “gerou apreensão em pais”. As críticas mais duras, porém, foram expostas no “Jornal da Band” e no “Jornal Nacional”, da Globo.

“Fique em silêncio, trabalhe”
Na Band, o âncora do telejornal, Rodolfo Schneider, tratou como “mentirosas” as alegações para suspender a vacinação e recomendou: “Fique em silêncio, trabalhe, ouça os técnicos, ouça a ciência, ministro Queiroga, antes que não reste mais nada da sua biografia. O senhor caminha a passos largos para ficar de mãos dadas com o ex-ministro Pazuello”.

Já o “Jornal Nacional” criticou o “recuo” do serviçal e mostrou que a nova decisão se opõe às orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Anvisa e do próprio Ministério da Saúde. Garantiu, ainda, que o ministro “tentou explicar” a decisão apelando para “uma porcentagem ínfima” de casos adversos e a uma morte cuja causa ainda não foi definida.

Na semana passada, circulou o boato de que “Quedroga”, o quarto ocupante da pasta da Saúde, estava para ser defenestrado pelo presidente. A especulação não se confirmou. Mantido no cargo, porém, o “doutor” só vai colhendo maior desgaste. Ninguém mais bota fé no bajulador oportunista!

Como registrou Mauricio Stycer, em matéria na Folha, sua mais recente decisão “conseguiu o feito de unir os telejornais das principais emissoras do país. A cobertura da entrevista em que o ministro fez ressalvas à vacinação ganhou tom crítico mesmo de emissoras simpáticas ao governo, como Record e SBT”. Tome, capacho!

__
*Jornalista e presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e membro do Comitê Central do PCdoB.

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB