Altamiro Borges: OAB discutirá impeachment de Bolsonaro

Benett

A campanha pelo impeachment do “capetão” genocida pode ganhar um importante reforço nos próximos dias. A Folha informa que “o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, avisou a conselheiros que deve convocar para terça-feira (9) sessão extraordinária do plenário da entidade para tratar das omissões de Jair Bolsonaro na condução da pandemia” da Covid-19.

Por Altamiro Borges*

A expectativa é a de que o impeachment seja pauta da reunião. “Após reflexão e conversas com alguns conselheiros penso que podemos antecipar esse debate convocando sessão extraordinária para tratar da pandemia”, postou Felipe Santa Cruz em um grupo de WhatsApp.

Como lembra a Folha, “o plenário da OAB foi a instância da entidade que pediu impeachment de Fernando Collor, Dilma Rousseff e Michel Temer”. Será que Bolsonaro, apesar de todos os crimes de responsabilidade que acumula – principalmente o de promover um genocídio no Brasil –, sairá impune?

Mudança do quadro político?

O recorde das mortes (10 mil óbitos em uma semana), o colapso do sistema de saúde (UTIs lotadas na região Sul) e os constantes atrasos na vacinação talvez levem à mudança de postura da OAB. No final de janeiro, em entrevista ao jornal O Globo, Felipe Santa Cruz – tratado como inimigo pelo presidente – descartou uma atitude mais firme:

“Não vejo ambiente, por ora, para o impeachment de Bolsonaro. Isso é algo muito sério, tem que ter verificação do crime, mobilização social e no Congresso Nacional, mas não vejo nada disso. O que vejo é queda de popularidade de Bolsonaro, que não é um fato de impeachment”, afirmou o presidente da OAB à coluna de Bela Megale.

Pelo jeito, algo mudou no cenário político e talvez a entidade nacional dos advogados agora reforce a campanha pelo impeachment do genocida. A conferir!

__

Altamiro Borges* é jornalista e presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e membro do Comitê Central do PCdoB.

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB