62 milhões de brasileiros não conseguem pagar suas contas

(Reprodução/internet)

Em abril, 61,94 milhões de brasileiros não conseguiram pagar suas contas, segundo um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

O número de inadimplentes incluídos na base do birô de crédito aumentou quase 6% no mês passado em relação a abril de 2021.

O levantamento mostra ainda que, dos inadimplentes, metade está com dívidas atrasadas entre 91 dias e um ano. A coordenadora financeira da CNDL, Merula Borges, alerta que a inadimplência está se aproximando do maior nível histórico alcançado em novembro de 2018, quando o contingente de pessoas inadimplentes chegou a 63,08 milhões.

Segundo a CNDL, depois dos atrasos com bancos (18,75%), as dívidas não pagas de contas de água e luz (7,92%) foram as que mais cresceram em abril na comparação com o mesmo período de 2021.

“O aumento da inadimplência de contas de água e luz retrata a situação do país”, disse Merula Borges. A energia residencial acumula alta de 20,52%, em 12 meses até abril.

A desastrosa política econômica de Bolsonaro levou o povo a se endividar com o cartão de crédito, cheque especial e empréstimos – cujos juros são cobrados a níveis de agiotagem – para comer e bancar outras despesas do dia a dia.

Pressionado pela alta dos combustíveis,, que são administrados pelo governo federal, a inflação oficial do país (IPCA) registrou alta de 1,06% em abril, a maior para o mês desde 1996, e acumula alta de 12,13% em 12 meses.

No mês passado, o trabalhador comprometeu, em média, 61% do salário mínimo para adquirir os produtos da cesta básica, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A cesta mais cara foi encontrada a R$ 803,99 em São Paulo, seguida por R$ 788,00 em Florianópolis, R$ 780,86 em Porto Alegre, e Rio de Janeiro R$ 768,42.