Leci Brandão: Marielle foi assassinada pelo Estado, machismo e racismo

A deputada estadual (PCdoB-SP) Leci Brandão, divulgou nota nesta quinta-feira (15), lamentando o assassinato da vereadora (Psol) do Rio de Janeiro, Marielle Franco, na noite desta quarta-feira (14). “Vivemos o luto de mais uma mulher negra assassinada pelo machismo, racismo e por um Estado conivente com a injustiça e a desigualdade”, afirmou Leci.

“Jovem mulher negra, guerreira, destemida e defensora de causas que são tão caras para nós, como a justiça, a cidadania e a liberdade para todos”, disse a deputada.

Leia na íntegra a nota da deputada comunista Leci Brandão:

Nos quase oito anos de mandato nesta Casa, já ocupei a tribuna diversas vezes para manifestar minha indignação, estarrecimento e tristeza. Mas, hoje, tive que abrir meu coração e expressar a minha dor mais profunda. Amanheci com a notícia do assassinato de uma jovem mulher negra, guerreira, destemida e defensora de causas que são tão caras para nós, como a justiça, a cidadania e a liberdade para todos. Estou falando da vereadora Marielle Franco, do PSOL, brutalmente executada ontem à noite, no Rio de Janeiro, com 4 tiros.

Ela era uma voz consciente e tinha uma postura firme, que conseguiu ocupar um espaço que poucas mulheres negras ocupam, por que são impedidas por um Estado racista e um sistema político perverso.

Marielle morreu porque teve a audácia de se candidatar e ser a quinta vereadora mais votada do Rio de Janeiro nas últimas eleições. Teve a coragem de denunciar arbitrariedades e autoritarismo.

Hoje vivemos o luto de mais uma mulher negra assassinada pelo machismo, pelo racismo e por um Estado conivente com a injustiça e a desigualdade, que falhou e tem falhado em defender e proteger os cidadãos e seus direitos.

Senti, hoje, ao ler as matérias sobre o assassinato de Marielle, que muita coisa parece que morreu em nós, pois a morte dessa mulher admirável e combativa foi, também, uma tentativa de assassinar luta de outras mulheres negras que, diariamente, combatem o genocídio de seus filhos e filhas.

Mas, o nosso luto não vai nos paralisar. Hoje, 18 cidades em todo o país realizarão manifestações para protestar, não apenas contra essa violência brutal que tirou a vida de Marielle, mas também por todas nós que, como ela, somos ameaçadas por um Estado que vê o povo pobre, negro e periférico como inimigo.

Aqui em São Paulo o ato será às 17h, no Masp.

Marielle, minha irmã, que Orum te receba em festa!