Homenagem ao histórico comunista de SP, Neleu Alves

 

O vice-presidente do PCdoB, Walter Sorrentino, o deputado federal Orlando Silva (PCdoB/SP) e o presidente do municipal paulistano, Jamil Murad compareceram às homenagens prestadas à memória de Neleu Alves, neste sábado (16). O Comitê Distrital de São Miguel Paulista, de tão largas tradições de lutas, promoveu o encontro de familiares, amigos e militantes da região.

Abaixo, o pronunciamento de Walter Sorrentino na ocasião:

Queridos familiares e amigos de Neleu Alves, queridos camaradas.

Fiquei consternado por não ter participado do velório de Neleu e confortar vocês, dividindo a dor como amigo e companheiro de vocês todos, por estar fora de São Paulo. No livro que lhes envio, dediquei meu artigo à memória de Neleu Alves. O melhor título que ele me mereceu – e estou certo de que ele se orgulharia – foi “um operário comunista”. Esse foi meu luto.

Desde sempre se tenta captar o que é a morte. Ela é insondável. É a perda da vida que mantém o corpo e a mente ativos, desfazendo-se em outras formas de matéria. Mas, e o legado que aquele que morreu deixa, o que é? E a memória afetiva que dele temos – esposa, filhos, amigos e familiares, o que é? E tudo que ele pregou, educou e liderou, o que é? Certamente não são vida, mas de certo modo é a vida dele que permanece em nós.

Na antiguidade os seres humanos guiavam-se pelas estrelas no firmamento. Tudo isso que Neleu representou é uma nova estrela no firmamento que alumiará o caminho de muitos homens e muitas mulheres.

Porque Neleu foi um bravo líder. Dele se lembrarão os que lutaram contra a ditadura, pela democracia, no movimento da carestia. Dele se lembrarão seus parceiros de luta, os metalúrgicos de SP que o elegeram diretor do Sindicato. Dele nos lembramos, com carinho e respeito, todos nós comunistas do PCdoB – além das demais forças de esquerda no país. Como se lembrarão? Do líder. Do educador. Do homem que se ligava às massas trabalhadoras. Ao mesmo tempo dotado de elevado espírito de classe. Do líder e dirigente partidário. Também do homem de família – eu o constatei. Enfim, um ser humano excepcional. Repito o melhor que posso dizer de Neleu: um operário comunista – a consciência de classe de trabalhador para emancipar a sociedade toda da opressão e exploração dos seres humanos.

A memória de Neleu Alves permanece em nós e por meio de nós. Nunca deixaremos de elevá-la como demonstração de nosso humanismo e de nosso compromisso classista com o Socialismo. Um afetuoso abraço a todas e todos, em especial à sua viúva, filhos, genros e noras, netos e netas, em caráter pessoal e também em nome da direção nacional do PCdoB.