Vanessa vota contra aumento no judiciário e critica medida aprovada

Foto: Marcio Melo

A senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) criticou o aumento salarial do judiciário e Ministério Público aprovado por 41 votos a favor e 16 contra em sessão na noite desta quarta-feira (7) no Senado.

 

A parlamentar, que votou contra o projeto de reajuste, revelou a sua impossibilidade de votar a favor da matéria. Apesar de reconhecer o merecimento dos juízes, sabemos que eles estão há muito tempo sem aumento, disse a senadora, mas “este não é momento para falar de reajuste salarial”.

“Não é hora do Parlamento, nem da Procuradoria, nem da magistratura falarem em aumento nem sequer em reajuste salarial”. Acho que é a parcela de contribuição que precisamos dar até que o nosso país supere esta, que é uma das mais graves crises econômicas, aliás, uma crise econômica que também se transformou numa crise social e numa crise institucional profunda”.

 Na visão da senadora, a medida não é justa para o trabalhador brasileiro que vive um momento de crise financeira e que está sendo penalizado com cortes nos direitos e no salário para garantir seu emprego. “Só o pobre que tem que fazer sacrifício?”, questionou.
Vanessa citou ainda os cortes no programa Bolsa Família e outras medidas que punem o trabalhador, como o congelamento do salário mínimo, a proposta de reforma da Previdência. Para ela, o momento deveria ser de contenção para todos, disse, lamentando que o projeto tenha sido reprovado por apenas 16 senadores.
Segundo Vanessa, a preocupação é com o impacto que essa medida no caixa que deve ser de cerca de 4 bilhões de reais. Além disso, lembrou do efeito cascata que a aprovação desse aumento no judiciário pode provocar. “Agora temos que nos mobilizar, ficar atentos, acompanhando de perto a votação. Para que não seja aprovado o aumento dos salários dos parlamentares”, orientou.
“O que tem que ser aumentado é o salário mínimo, as verbas para a saúde, para a educação, para a segurança pública e não para quem já ganha muito bem!”, acentuou a parlamentar.
Confira abaixo a lista dos senadores que aprovaram e que reprovaram o aumento do salário:
A FAVOR

Acir Gurgacz (PDT-RO)
Aécio Neves (PSDB-MG)
Ângela Portela (PDT-RR)
Antonio Anastasia (PSDB-MG)
Antônio Valadares (PSB-SE)
Armando Monteiro (PTB-PE)
Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Cidinho Santos (PR-MT)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Dalirio Beber (PSDB-SC)
Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Edison Lobão (MDB-MA)
Eduardo Amorim (PSDB-SE)
Eduardo Braga (MDB-AM)
Eduardo Lopes (PRB-RJ)
Fernando Coelho (MDB-PE)
Garibaldi Alves Filho (MDB-RN)
Hélio José (PROS-DF)
Ivo Cassol (PP-RO)
Jorge Viana (PT-AC)
José Agripino (DEM-RN)
José Amauri (PODE-PI)
José Medeiros (PODE-MT)
José Serra (PSDB-SP)
Otto Alencar (PSD-BA)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Paulo Rocha (PT-PA)
Raimundo Lira (PSD-PB)
Renan Calheiros (MDB-AL)
Roberto Rocha (PSDB-MA)
Romero Jucá (MDB-RR)
Rose de Freitas (PODE-ES)
Sérgio Petecão (PSD-AC)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Telmário Mota (PTB-RR)
Valdir Raupp (MDB-RO)
Vicentinho Alves (PR-TO)
Walter Pinheiro (Sem partido-BA)
Wellington Fagundes (PR-MT)
Zeze Perrella (MDB-MG)

CONTRA

Airton Sandoval (MDB-SP)
Cristóvam Buarque (PPS-DF)
Fátima Bezerra (PT-RN)
Givago Tenório (PP-AL)
José Pimentel (PT-CE)
Lídice da Mata (PSB-BA)
Lúcia Vânia (PSB-GO)
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
Regina Sousa (PT-PI)
Reguffe (Sem partido-DF)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Roberto Requião (MDB-PR)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Vanessa Graziottin (PCdoB-AM)
Wilder Morais (DEM-GO)