União Europeia marcou o início da vacinação para a mesma data

(Robin Utrecht-picture alliance)

Os países da União Europeia se preparam para iniciar suas campanhas de vacinação contra a Covid-19. “É a hora da Europa. Nos dias 27, 28 e 29 de dezembro começará a vacinação na UE”, anunciou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em mensagem, na quinta-feira (17).

“Começaremos a vacinação o mais rápido possível todos juntos, todos os 27 estados, no mesmo dia, da mesma forma que passamos por esta pandemia, juntos”, disse Von der Leyen em sessão do Parlamento Europeu, em Bruxelas.  “Para controlar a pandemia, necessitaremos vacinar até 70% da população. Esta é uma tarefa enorme”, assinalou.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, sigla em inglês), com sede na Holanda, adiantou a reunião que discutirá a liberação da vacina desenvolvida pela Pfizer e BioNTech para 21 de dezembro. A UE afirmou que dará sua autorização logo depois da aprovação da EMA.

“No total, compramos doses mais que suficientes para todos na Europa. E poderemos apoiar nossos vizinhos e aliados em todo o mundo”, disse a líder da UE, maior bloco econômico mundial.

Essa cooperação pode ser realizada através do programa Covax, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), precisamente para que vacinas consideradas eficazes e seguras estejam disponíveis de maneira igualitária para todos os países e não só nos mais ricos.

Von der Leyen lembrou que a vacina da Pfizer/BioNTech é só uma das seis que a UE tem reservadas, com contratos de compra antecipada já assinados. Além de outros em tratamento.

Além da Pfizer, o bloco comprou os imunizantes da AstraZeneca, CureVac, Johnson & Johnson, Moderna e Sanofi-GlaxoSmithKline.

Os 27 países – que somam cerca de 450 milhões de habitantes – terão, ao todo, dois bilhões de doses se as vacinas forem todas aprovadas.

Os estados membros decidirão quem tem prioridade para as injeções, mas já ficou decidido que os maiores de 60 anos e os trabalhadores da saúde que tratam pacientes com Covid-19 estarão na frente.

O anúncio acontece no mesmo dia em que um dos principais líderes europeus, o presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou que está com a Covid.