Servidores da CGU decidem entrar em greve por tempo indeterminado

(Reprodução)

Os servidores da Controladoria Geral da União (CGU) decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, em assembleia realizada nesta sexta-feira (20). A categoria reivindica reposição dos salários que, congelados desde o início do governo Bolsonaro, em janeiro de 2019, já acumulam perda de 25% do poder de compra.

Os servidores também pedem a reestruturação da carreira de Finanças e Controle. A paralisação, aprovada com 88% dos votos, terá início no próximo dia 30 de maio.

“A greve é um último recurso, mas neste momento crítico em que o prazo legal para recomposição salarial em ano eleitoral se esgota e em que persiste a sinalização do governo de reajustes discriminando a carreira de Finanças e Controle, os servidores da Controladoria Geral da União, bem como do Tesouro Nacional, aprovaram a intensificação da mobilização. Não abrimos mão de defender a nossa carreira e as nossas instituições”, afirma Bráulio Cerqueira, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle (Unacon Sindical).

Parte da mesma categoria de Finanças e Controle, os servidores da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) também aprovaram greve nesta semana e devem iniciar as paralisações a partir da próxima segunda-feira (23). A categoria tem realizado diversos movimentos desde dezembro do ano passado, com paralisações e atos públicos contra a política de arrocho do governo.