Sérgio Camargo quer tirar homenagem de Milton, Gil, Martinho, Leci

Sérgio Camargo persegue ainda Elza Soares e Conceição Evaristo

Imagem: reprodução

O cantor e compositor Milton Nascimento será excluído da lista de personalidades notáveis negras da Fundação Cultural Palmares (FCP).

Ao lado de Milton, outros artistas negros, expoentes da música e das letras brasileiras, como Elza Soares, Martinho da Vila, Gilberto Gil, Leci Brandão, a escritora Conceição Evaristo, entre outros, também serão excluídos, provocando protestos de vários setores.

Esse foi o anúncio feito pelo presidente da FCP, Sérgio Camargo, através do Twitter: “A homenagem na galeria de personalidades negras será PÓSTUMA! Em razão disso, todos que estão vivos serão excluídos”, escreveu Sérgio Camargo no Twitter.

“Haverá exclusão de vários nomes. Novas personalidades serão incluídas em razão do mérito e da nobreza de caráter”, escreveu ele, na semana passada.

No Twitter da Fundação, Camargo publicou: “A partir de 1º de Dezembro de 2020 entra em vigor a Portaria Nº 189, de 10 de novembro de 2020, que institui novas diretrizes para a inclusão e permanência de nomes na Lista de Personalidades Negras da FCP”.

Portanto, segundo Sérgio Camargo, será preciso morrer para uma personalidade negra ser homenageada pela FCP.

Artistas e intelectuais comentaram os rumos da Fundação Palmares com Sérgio Camargo na presidência.

Sérgio Camargo, colocado por Bolsonaro na presidência da Fundação Cultural Palmares (FCP), é um negro que odeia os negros. Ele é discípulo de Olavo de Carvalho, o astrólogo guru de Bolsonaro. Ele é protegido de Bolsonaro e de Roberto Alvim (aquele secretário de Cultura que caiu porque imitou o propagandista do nazismo, Joseph Goebbels, provocando uma enxurrada de críticas).

Em uma reunião no final de abril, Camargo classificou o movimento negro como “escória maldita”, que abriga “vagabundos”. O áudio da reunião foi divulgado pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Na mesma reunião, ele disse: “Esses filhos da puta da esquerda não admitem negros de direita. Vou colocar meta aqui para todos os diretores, cada um entregar um esquerdista. Quem não entregar esquerdista vai sair. É o mínimo que vocês têm que fazer”, afirmou.

Entre outras barbaridades, Sérgio Camargo já declarou que “a escravidão foi benéfica para os descendentes”, que “no Brasil não existe racismo real” e “Gilberto Gil, Martinho da Vila, Taís Araújo, Leci Brandão e outros artistas são parasitas da raça negra no Brasil”.