Secretário de Meio Ambiente de PE destaca ações contra desertificação

Foto: Pedro Caldas/Semas

À frente da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas), José Bertotti, da direção do PCdoB, tem se dedicado a diversas ações voltadas à preservação e à geração de emprego e renda de maneira sustentável, um desafio e tanto, especialmente na atual conjuntura marcada pelo desmonte público e pela destruição do patrimônio ambiental brasileiro pelo governo Bolsonaro.

Nesta terça-feira (23), ele esteve em Itapetim, no Sertão pernambucano, para a assinatura de convênios vencedores de edital do Fundo Estadual de Meio Ambiente — dentre os quais está o projeto “Mulheres Restaurando o Bioma Caatinga: Uma proposta para sociobiodiversidade”, de grupos de mulheres do Sertão do Pajeú.

“Serão quase R$ 300 mil para melhorar as condições do trabalho de mulheres que já atuam na preservação da caatinga. Os recursos também vão ajudar outras agricultoras daqui do sertão do Pajeú, em Iguaracy e São José do Egito, a realizar a recuperação de nascentes, combinado com a produção de alimentos através de sistemas agroflorestais”, explicou Bertotti pelas redes sociais.

Em outra agenda, na cidade de Ouricuri, o secretário visitou projeto de sistema agroflorestal, que combina o plantio de árvores com a agricultura, o que ajuda a recuperar as áreas de nascentes ao mesmo tempo em que as famílias produzem alimentos. “Esta ação vai contribuir com a melhoria da qualidade de vida e na geração de renda da comunidade de Santa Maria, aqui de Ouricuri”, disse.

A ação faz parte do edital de recuperação florestal de nascentes do governo de Pernambuco para a proteção ambiental e o combate à desertificação. “Com recursos de R$ 1,8 milhão do Fundo Estadual do Meio Ambiente para ações da sociedade civil, o projeto será executado pela ONG Caatinga, em parceria com as associações de agricultores do Sítio Vida Nova e do Sítio Camaleão e Sítios Vizinhos, e a ONG Chapada”, explicou.

“Este é um edital para desenvolver sistemas agroflorestais com foco em tecnologias para produção no semiárido e nesse processo iremos beneficiar 100 famílias e no geral cerca de 400 pessoas, que irão trabalhar com reuso de águas, proteção de nascentes, plantio para reflorestamento de mudas nativas juntamente com sistemas consorciados em produção de alimento, contando ainda com uma conexão com as prefeituras”, afirmou José Bertotti.

Por Priscila Lobregatte
Com informações da Semas