Rodrigo Pacheco defende auxílio emergencial, mas rejeita novo imposto

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)

(Foto: Marcos Brandão/Senado Federal)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que é contra a criação de um novo imposto para financiar novos pagamentos do auxílio emergencial, como sugeriu o governo Bolsonaro.

Para ele, “a criação de imposto é sempre algo traumático”.

“O momento de se dimensionar criação ou extinção de tributo é na reforma tributária. Então, nós vamos buscar uma solução dentro de fundamentos econômicos sem a criação de impostos”, disse.

Segundo o Estadão, o governo Bolsonaro está estudando a criação do imposto temporário para financiar o auxílio aos trabalhadores informais e desempregados.

Uma das propostas pode ser criar um imposto parecido com o CPMF, que atinge movimentações financeiras. Ele pode ser entre 0,05% e 0,15%.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, “nós temos um compromisso com as futuras gerações do País. Nós temos que pagar pelas nossas guerras”.

“Se nós estamos em guerra com o vírus, nós temos que arcar com essa guerra e não simplesmente empurrar irresponsavelmente esses custos para as gerações futuras”, argumentou o ministro.