Ritmo da indústria é frustrante, afirma CNI

A production line employee works at the AMES Companies factory, the largest wheelbarrow factory in the world, in Harrisburg, Pennsylvania, U.S. on June 29, 2017. Picture taken on June 29, 2017. REUTERS/Tim Aeppel

Foto: Agência Brasil

A pesquisa de Indicadores Industriais de novembro, os últimos disponíveis, apurados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgados na sexta-feira (17) apontam reduções em todos os seus indicadores, na comparação do acumulado de janeiro a novembro de 2019 em relação ao mesmo período de 2018, exceto o ínfimo +0,3 ponto percentual da Utilização da Capacidade Instalada (UCI), descontado os efeitos sazonais (78,2% em novembro de 2019).

O faturamento real da indústria brasileira no período teve uma queda de -0,9%. O número de horas trabalhadas recuou -0,4% e o nível de emprego teve variação negativa: -0,3%.

A Massa salarial e o Rendimento Médio Real tiveram, respectivamente, reduções em -1,5% e -1,3%. As comparações estão calculadas com a exclusão dos efeitos sazonais.

“O ritmo de crescimento da indústria, especialmente no início de 2019, foi frustrante. Com isso, o faturamento, o emprego e as horas trabalhadas na produção devem ter fechado o ano com pequenas quedas na comparação com a média de 2018. A massa salarial e o rendimento médio do trabalhador devem ter quedas mais acentuadas”, afirmou o economista da CNI Marcelo Azevedo.

Em 2019, o ministro da Economia, Paulo Guedes, não apresentou qualquer modificação para potencializar a indústria. Ao contrário, a diminuição de alíquotas de produtos importados e o favorecimento das importações em relação a produção nacional, bem como a redução da capacidade de investimento do BNDES e a elevação dos custos piorou o cenário para os industriais.

Fechamento de fábricas

Outro levantamento, este da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgado pelo Estadão, mostrou que 25.376 unidades industriais encerraram suas atividades entre 2015 e 2018. Portanto, pelo menos 17 indústrias fecharam as portas por dia no Brasil ao longo de quatro anos.

A produção industrial brasileira caiu -1,2% em novembro de 2019 em relação a outubro e acumula uma queda de 1,1% nos onze meses do ano passado, segundo os últimos dados divulgados pelo IBGE. Além disso, a maioria de seus ramos e todos os macrossetores industriais também ficaram no vermelho.

Neste ritmo anual de pouco mais de 1%, hoje a indústria de transformação opera 18,4% abaixo do pico alcançado em março de 2011, segundo dados recentes da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física do IBGE. E a previsão do mercado para a produção industrial no ano de 2019 é de menos 0,7%.