Resistência obriga Trump a retirar agentes federais de Portland

Agentes a mando de Trump foram violentos com manifestantes em Portland

Foto: Reprodução

Trump começou a retirar forças federais que havia despachado à cidade de Portland, no Estado de Oregon, em um revés na sua repudiada repressão aos protestos antirracistas, parte de sua estratégia eleitoral como candidato “da lei e da ordem”.

A reação a essa violência, atingiu uma dimensão que o presidente não esperava, se alastrou de costa a costa dos EUA, com solidariedade declarada aos manifestantes de Portland e ao Black Lives Matter (Vidas de Negros Importam), os atos de Nova York, Los Angeles, Seattle, Oakland, Louisville, Omaha, Richmond, Albuquerque e Austin estiveram entre os maiores, com as ruas ecoando os brados de “Sem Justiça, Sem Paz” e “Feds go home” (Fora Agentes Federais).

“Esses agentes federais têm atuado como uma força ocupante, rechaçando qualquer responsabilidade e trazendo a violência e o conflito a nossa comunidade”, afirmou a governadora de Oregon, Kate Brown, que enfrentou a agressividade desproporcional de Trump nos últimos dias.

“Depois de discussões com o vice-presidente Mike Pence, o governo federal cedeu a meu pedido e retirará esses agentes de Portland”, anunciou a governadora em comunicado, após várias noites de manifestações nas ruas. Acrescentou que efetivos da polícia local e estatal se encarregariam da segurança do tribunal federal, onde houve enfrentamentos quando milhares de pessoas tomaram as ruas e praças próximas, depois que um juiz federal negou o pedido do Estado para restringir as ações dos agentes que prendiam manifestantes e faziam espionagem na vida dos líderes dos atos.

Brown assinalou que “a histórica mobilização que o Black Lives Matter tem realizado em todos os Estados Unidos representa uma exigência de justiça”.

“Se a escravidão é o pecado original dos Estados Unidos, o racismo o é em Oregon”, sublinhou, se comprometendo a continuar trabalhando com líderes comunitários para abordar esses temas, e convocou todos a trabalhar para superar esse inaceitável problema.

Os protestos no país já duram 2 meses e tiveram início em maio, depois do assassinato do segurança negro George Floyd, de 46 anos, que foi vítima de um policial branco em Minneapolis.

Mas, enquanto as autoridades de Oregon conseguiram reverter a ingerência de forças federais e a escalada de violência que isso gerou nas ruas, Trump continua deslocando-as para outras cidades com o argumento de “combate ao crime”.

“Hoje temos estendido a Operação Legend a Cleveland, Detroit e Milwaukee, três cidades que têm visto preocupantes aumentos nos crimes violentos, particularmente homicídios”, disse o promotor geral William Barr, segundo a agência de notícias EFE.

Os prefeitos e vários legisladores dessas regiões, de forma semelhante a Portland, afirmam que não existe tal caos e que tudo isso é mais um espetáculo – com fins politiqueiros – ao qual vão se opor.