Recife: Cida debate e aprova criação da Frente Parlamentar pelo Clima

A vereadora Cida Pedrosa (PCdoB)

(Reprodução/Instagram)

A vereadora Cida Pedrosa (PCdoB) discutiu e aprovou, na reunião plenária realizada na manhã desta terça-feira (21), o Projeto de Resolução número 37/2021, de sua autoria, que institui, no âmbito da Câmara Municipal do Recife, a “Frente Parlamentar do Recife pelo Clima”. O projeto tem como finalidade formular, incentivar, implementar, acompanhar e fiscalizar as políticas públicas municipais de enfrentamento às mudanças climáticas.

“Precisamos pensar que o tema da emergência climática saia do debate específico e faça parte dos debates transversais nas políticas públicas. Quando a gente for pensar a saúde e a educação, por exemplo, teremos que falar de emergência climática e levá-la em conta antes de definir as demais políticas públicas”, afirmou a parlamentar. Cida argumentou que, se hoje o Recife está entre as 16 cidades mais vulneráveis do mundo, há questões a serem levadas em conta e que vão além da localização geográfica. “A cidade foi ocupada de forma desordenada por motivo simples: não conseguimos manter uma política agrária para manter a população no campo. E as pessoas vieram de forma desordenada ocupar as periferias das cidades, em busca de sobrevivência e de emprego”, afirmou.

A vereadora disse também que na década de 1950, 85% da população de Pernambuco morava no campo, e que hoje essa situação é inversa. “Essa realidade é a mesma que ocorre no resto do Brasil”. Cida Pedrosa observou que as cidades não estavam preparadas para receber o grande número de pessoas que migraram, pois estavam despreparadas do ponto de vista estrutural, e também no que diz respeito ao transporte, esgotamento sanitário, e moradia. “Essas pessoas foram morar nos morros, nos alagados e nas ocupações de áreas ambientais. E isso resulta em desastres ecológicos”. O que tem ocorrido no Recife, segundo ela, porém, não é exclusivo. “O que ocorre é uma resposta da natureza à forma não sustentável como ocupamos nossas cidades. E o resultado é a emergência climática”.

Ela acrescentou que, diante desse cenário local, que é de grande suscetibilidade, foi aprovada a Política de Sustentabilidade e de Enfrentamento das Mudanças Climáticas do Recife, disposta na Lei Municipal número 18.011, de 28 de abril de 2014. Também citou que o Plano de Redução de Emissões de Gases do Efeito Estufa do Recife, de 2016, é um importante instrumento contendo diretrizes, objetivos, metas e ações que conduzem a cidade a um desenvolvimento de baixo carbono.

“Nessa esteira, durante a abertura da Conferência Brasileira de Mudança do Clima, o então Prefeito, Geraldo Júlio, assinou o Decreto 33.080, de 08 de novembro de 2019, tornando o Recife a primeira cidade brasileira a reconhecer a emergência climática global e a projetar carbono zero até 2050”. Cida Pedrosa ressaltou que a frente parlamentar poderá trazer especialistas para debater a complexidade desse tema e “pensar soluções para o Recife em conjunto com a sociedade”.

Clique aqui para assistir o depoimento de Cida Pedrosa.

__

Com informações da Câmara Municipal do Recife