PT confirma Alckmin para vice de Lula e federação

Diretório também aprovou federação com o PCdoB e PV, assim como as propostas de Estatuto e Carta-Programa da Federação

“Como na luta contra a ditadura, a construção da frente democrática liderada agora por Lula e Alckmin se impõe na agenda política para derrotar o atraso e o retrocesso representados pela candidatura de Jair Bolsonaro”, diz texto do PT

O Diretório Nacional do PT aprovou hoje (13) a indicação do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) para a vaga de vice na chapa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A aliança para disputa da eleição presidencial de outubro foi anunciada na semana passada, mas precisava ser analisada formalmente pelo diretório do partido.

Apesar da aprovação, os partidos devem oficializar a pré-candidatura da chapa somente em maio.

Na mesma reunião, o PT também aprovou a federação com o PCdoB e o PV. A decisão foi tomada no mês passado pelas legendas, mas também precisava da decisão formal do Diretório Nacional.

A lei que criou as federações partidárias foi aprovada em agosto do ano passado no Congresso. Com a norma, os partidos que se unirem em uma federação, antes das eleições, devem permanecer juntos por no mínimo quatro anos, período dos mandatos, tendo estatuto conjunto e comportamento coerente de sua bancada.

Em 2006, Lula e Alckmin disputaram o segundo turno da eleição presidencial e o ex-presidente foi reeleito para um segundo mandato.

Leia a íntegra da resolução:

O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, reunido nesta quinta-feira, 13 de abril, aprovou:

1) A formação de uma Federação de Partidos com o PCdoB e o PV;

2) As propostas de Estatuto e Carta-Programa da Federação, que serão apresentadas ao PCdoB e ao PV;

3) A coligação nacional com o PSB para as eleições presidenciais e o nome do ex-governador Geraldo Alckmin para compor, como candidato a vice-presidente, a chapa que será encabeçada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segue o texto da resolução sobre chapa:

RESOLUÇÃO SOBRE COLIGAÇÃO NACIONAL E COMPOSIÇÃO DE CHAPA COM O PSB

A eleição presidencial deste ano colocará em disputa dois projetos muito claros: o da democracia e o do fascismo.

No polo democrático, é a candidatura de Lula que tem reais possibilidades de aglutinar a maioria do sociedade, em torno de um programa de enfrentamento e substituição das políticas neoliberais e privatistas, de reafirmação da soberania e das políticas de crescimento sustentável com justiça social, de resgate dos direitos e das conquistas da classe trabalhadora, de retomada dos direitos humanos, coletivos e individuais; enfim, um programa capaz de trazer paz e prosperidade para o povo brasileiro.

Nossa política de alianças e a tática eleitoral, que já estão em construção e serão definitivamente aprovadas no Encontro Nacional de 4 e 5 de junho, apontam para a ampliação política necessária para derrotar Bolsonaro, num processo eleitoral que já se revela o mais duro desde a redemocratização do país.

Além de consolidar a unidade do campo popular, o PT deve buscar ampliar o apoio a Lula em outros setores políticos e sociais do campo democrático.

A coligação nacional com o PSB, que apresentou formalmente o nome do ex-governador Geraldo Alckmin para compor a chapa como candidato a Vice-Presidente de Lula, será importante passo na direção almejada. Confirmará nossa disposição de, no governo, implementar um programa de reconstrução e transformação do Brasil, ampliando nossa base social.

Neste sentido, o Diretório Nacional indica às delegadas e aos delegados que participarão do Encontro Nacional a aprovação desta aliança e desta composição de chapa.

Brasília, 13 de abril de 2022

DIRETÓRIO NACIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES

Por Cezar Xavier