PCdoB lança 3ª Conferência Nacional sobre a Emancipação das Mulheres

Um amplo e diversificado ato on line, realizado na noite desta quinta-feira (28), com a participação e a audiência de centenas de pessoas de todo o Brasil, marcou o lançamento oficial da 3ª Conferência Nacional do PCdoB sobre a Emancipação das Mulheres.

Durante o evento, que contou com personalidades do mundo da política e da cultura, também foi lançado o manifesto “Vamos construir o feminismo popular – Todo dia uma luta, todo dia uma esperança!”, dirigido a toda a sociedade. A conferência acontecerá entre os dias 19 e 21 de março, mas o processo de debates nos estados já teve início e se estende pelos próximos meses. Um site especial, com espaço para a Tribuna de Debates, também já está no ar.

A secretária nacional da Mulher do PCdoB, Vanessa Graziottin, abriu o evento destacando que a conferência “não é das mulheres, mas sobre a emancipação das mulheres. Temos, inclusive, cota de gênero de 30% dos delegados que serão obrigatoriamente de homens, porque a luta pela emancipação das mulheres é de todos”.

Vanessa também defendeu que “nós, mulheres, temos de entender que precisamos estar inseridas nessa luta porque hoje, defender a vida é lutar pela saída de Bolsonaro. Se não temos vacina para todos até hoje, se o Amazonas tem falta de oxigênio, não há dúvida nenhuma de que existe um responsável, que se chama Bolsonaro”.

Luta pela emancipação é de todos

Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB e vice-governadora de Pernambuco, fez uma intervenção política inaugural que tratou da atual conjuntura nacional e sua ligação com a vida e a luta das mulheres do povo hoje. “Estamos diante de um governo que sabota a luta contra o vírus, que faz uma agenda entreguista dos interesses nacionais, retira direitos e, principalmente, atinge as mulheres na medida em que toda essa agenda recai com mais força sobre os ombros e a qualidade de vida das mulheres do nosso Brasil”.

A dirigente salientou ainda que “a luta pela emancipação feminina deve ser de todos, de homens e mulheres, para que de fato a gente consiga galgar e dar saltos importantes, civilizacionais, nessa luta democrática, por justiça, pela igualdade, para enfrentar esse  lugar político de opressão ao qual a mulher é subjugada, para que a gente aponte, de fato, para uma nação mais autônoma, mais soberana, mais democrática”.

Neste sentido, Luciana explicou que a luta atual se dá a partir de quatro vetores importantes: “a luta pela vida, que é a luta pela vacina, e que refletiu, com muita força, o que significa o SUS em nosso país”. O segundo vetor é a luta no campo da economia, que “está intrinsicamente ligada à luta pela vacina; estamos vendo o impacto que a pandemia causou no Brasil e no mundo por envolver todas as cadeias produtivas globais”. Outro vetor, disse, “é a situação dramática do povo brasileiro. Estamos com 14% de desocupados e boa parcela é, justamente, de mulheres. Somos as mais desempregadas, as que mais sofremos o impacto do distanciamento social, inclusive com o aumento significativo da violência doméstica e dos feminicídios.

Por fim, Luciana assinalou o vetor da dinâmica que envolve a sucessão presidencial. “Estamos diante de um cenário em que, hoje, Bolsonaro cai nas pesquisa, pagando o preço pelo seu descaso, pela sua negligência, pela sua atitude genocida diante de uma situação tão grave, com mais de 220 mil mortos. São pessoas, são histórias, são vidas e ele fez deboche dessa situação. E agora estamos vendo a falta de perspectivas na luta pela vacinação”.

É nesse ambiente, enfatizou Luciana, “que temos de acentuar a nossa luta. As mulheres foram linha de frente do movimento ‘Ele não’ e têm capacidade de resistência ainda maior, até porque são as principais vítimas desse processo. Precisamos acumular forças; precisamos acentuar o desgaste e desmascarar Bolsonaro e fazer com que nossa luta abra outras possibilidades”.

A presidenta apontou, no entanto, que “isso só será possível se tivermos a capacidade de juntar amplos setores” e citou como exemplo a sucessão da presidência da Câmara. “Vamos precisar desse exercício de juntar frentes nessa agenda democrática. Não temos ilusão: Bolsonaro quer a mudança do regime, quer impor o autoritarismo. E precisamos, com essa amplitude, fazer a resistência necessária para barrar esses intentos. Esse é, portanto, o momento de mobilizar as mulheres para a luta”. Por fim, destacou: “a luta pela vida é também feminista”.

Personalidades

Na sequência, o ato teve a participação, ao vivo ou por vídeo, de personalidades que reforçaram a importância da mobilização pela luta emancipacionista por igualdade. Entre elas, o governador do Maranhão, Flávio Dino; a ex-ministra Marina Silva, da Rede Sustentabilidade; o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e a ex-deputada do PCdoB-RS, Manuela d’Ávila, que, ao final do evento, fez a leitura do manifesto “Vamos construir o feminismo popular!”.

Participaram ainda, pela ordem, a deputada estadual Olívia Santana (PCdoB-BA); a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), a secretária adjunta da Mulher do PCdoB, Márcia Campos; o músico Edgar Scandurra, que interpretou canção de sua autoria intitulada “Mulheres à frente da tropa”; as deputadas federais Perpétua Almeida (AC), líder do PCdoB na Câmara, Alice Portugal (BA) e Professora Marcivânia (AP) e a ex-deputada Jô Moraes (MG).

Também participaram a deputada estadual e cantora Leci Brandão (PCdoB-SP), a vereadora Bruna Rodrigues (PCdoB-Porto Alegre), a deputada estadual Enfermeira Rejane (RJ), a presidenta da UBM, Vanja Santos; Gláucia Morelli, da CMB; Julieta Palmeira, secretária de Política para as Mulheres da Bahia; a presidenta da Federação Nacional Dos Enfermeiros, Shirley Morales; a presidenta do Fórum de Mulheres do Mercosul, Emilia Fernandes; o secretário de Organização dos PCdoB, Fábio Tokarski e a escritora e vereadora do Recife, Cida Pedrosa. Ainda participaram do ato a Marta Suplicy, secretária de Relações Internacionais da cidade de São Paulo; Eleonora Menicucci, ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres; a senadora do Pros-RN, Zenaide Maia; Iago Montalvão, presidente da UNE; Angela Guimarães, presidenta da Unegro; Keully Leal, da UJS; Silvia Cavalieri, presidenta da UNALGBT; Vitoria Cabreira, da JPL; o músico Jorge Manter; Celina Arêas, da CTB; Vivian Queiroz, da CGTB; Juneia Batista, da CUT; Sonia Maria, da Nova Central; os músicos Railídia e Paulo Godoy; a advogada Carol Proner, da ABDJ; a presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann; da deputada federal Lídice da Mata (PSB-BA) e do presidente da Fundação Maurício Grabois, Renato Rabelo. O evento foi apresentado pela secretária da Mulher, Vanessa Graziottin, pela presidenta da UBES, Rozana Barroso e pela ex-presidenta da UNE, Carina Vitral.

Leia, assine e compartilhe o Manifesto aqui

Saiba tudo sobre a Conferência aqui

Veja como foi o ato de lançamento:

Por Priscila Lobregatte