PCdoB homenageia professoras, professores e a luta pela educação

Foto: Sumaia Vilela/Agência Brasil

O PCdoB homenageia as professoras e os professores e segue junto com eles em luta por uma educação libertadora. Nesta terça-feira, 15 de outubro, os comunistas comemoram as conquistas cotidianas dos profissionais que colaboram para a formação de crianças, jovens e adultos nas escolas e universidades. E se comprometem a seguir com eles e elas contra as políticas de desmonte da educação pública e laica, que vem sendo empreendido pelo Governo Bolsonaro.

A presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos (PE), lembrou, com frase do ativista pelos direitos civis dos negros Martin Luther King, que a educação é a melhor arma para mudar a realidade.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, conhece os desafios da sala de aula: ele foi professor de Direito na Universidade Federal do Maranhão(UFMA). Neste dia 15, rendeu homenagem aos colegas de todo o país com vídeo da professora Narcisa, que ensina meninos e meninas em Peritoró (MA). Ela nos mostra a escola em que lecionava e a nova sede, fruto do Programa Escola Digna, do governo do Estado. Com a reforma de colégios, entre outras ações, esta política pública garante condições para que os alunos aprendam e para que os profissionais da educação possam trabalhar.

As professoras e professores do Brasil foram homenageados também pela ex-deputada federal Manuela d’Ávila com um vídeo que desmente as mentiras, ou fake news, que circulam na internet contra nosso patrono da educação: Paulo Freire.

Uma bancada pela educação

Também da Câmara Federal os comunistas renderam homenagens.

Na Comissão Geral em Defesa das Universidades Públicas, dos Institutos Federais e do CNPq, nesta terça-feira (15), a vice-presidenta da Comissão de Educação, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), reforçou a urgência de aplacar o desmonte da educação brasileira e tornar o desenvolvimento científico e tecnológico uma das prioridades do país.

Ela reafirmou que os cortes nas universidades e institutos federais são fruto de uma opção política, que se arrasta desde o governo Temer e é agora reforçada com Bolsonaro.

Alice colocou-se mais uma vez ao lado dos professores para defender a valorização da profissão. Ela é uma das autoras da Lei Nº 11.738/2008, que estabelece o piso salarial para profissionais do magistério público da educação básica e fixa regras para o seu reajuste. Mais de dez anos depois da aprovação, a comunista segue na luta para que todas e todos os professores finalmente recebam salários justos e o respeito devido. Para solucionar o não-cumprimento do piso no Brasil, a deputada tem defendido a retirada da educação da Lei de Responsabilidade Fiscal e a criação de uma Lei de Responsabilidade Educacional, como forma de desoneração dos municípios, para facilitar o cumprimento do piso salarial e a destinação de verbas para a área.

Nas redes sociais, a deputada Federal Jandira Feghali também defendeu a devida remuneração e melhor condição de trabalho para os professores. Ela voltou a denunciar os abusos do governo Bolsonaro, que declarou que estudantes seriam “idiotas úteis” e massa de manobra por saírem às ruas contra os cortes no orçamento das universidades.

Pelo Twitter, os deputados federais Orlando Silva (PCdoB-SP) e Daniel Almeida (PCdoB-BA) também reconheceram a importância dos professores para o desenvolvimento do país: