PCdoB-DF: Mudanças com a construção de uma Frente Ampla

Crédito da foto: Divulgação

A direção regional do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) do Distrito Federal (DF) se reuniu na noite de quinta-feira (8) para debater o grave quadro político nacional e a situação do DF. Segundo o PCdoB, o DF vive um apagão administrativo e sob ameaça de setores da direita mais atrasada.

Entre os dirigentes reunidos, foi unânime a constatação de que o acidente com o desabamento do viaduto da Galeria dos Estados prova que uma gestão sem diálogo, lastreada única e exclusivamente nos balanços financeiros sem levar em conta as pessoas pode ser desastrosa.

Outro tema debatido foi a construção de uma chapa própria à Câmara Legislativa e à Câmara dos Deputados.

Segundo Augusto Madeira, presidente do PCdoB/DF, o partido dispõe de muitas lideranças prontas para a disputa, que representam os mais variados setores e segmentos da sociedade. Além disso, destacou Madeira “o PCdoB está de portas abertas a quem queira se candidatar e lutar por um DF mais justo, mais solidário e mais democrático”.

Com as mudanças no cálculo do quociente eleitoral, o PCdoB deve eleger pelo menos um deputado distrital nesta eleição.

Os comunistas do DF também estão construindo uma agenda de atividades nas cidades para a pré-candidata a Presidência da República Manuela d’Ávila.

Por fim, o PCdoB debateu e deliberou sobre a necessidade da construção de uma Frente Ampla democrática com um núcleo de partidos de esquerda e progressistas para a construção de uma candidatura ao GDF.

No próximo dia 17, o PCdoB irá realizar um seminário, aberto a todos para discutir os desafios do DF nas eleições deste ano, e as novas regras eleitorais, na comunicação das campanhas e na arrecadação de recursos.