PCdoB defende unidade contra Bolsonaro na Festa do Avante

O vice-presidente e secretário nacional de Política e Relações Internacionais do Partido Comunista do Brasil, Walter Sorrentino, representou o Partido na Festa do Avante em Portugal neste fim de semana. No sábado (7), participou de debate com a presença de representantes da esquerda de países como Colômbia, Cuba e Venezuela.

Enquanto que no Brasil, movimentos sociais saíam às ruas em luto no Dia da Independência do Brasil, o Festival Avante, proporcionava um ato de solidariedade ao país, com participação de lideranças de diversos países do continente. No encontro, Sorrentino ressaltou, em nome dos brasileiros e brasileiras, a necessária luta em defesa da democracia e pela liberdade de Lula. Comentou sobre as dificuldades econômicas e o crescimento do autoritarismo.

“Temos dois processos acontecendo e que resumem a dificuldade do nosso cenário ”, disse Sorrentino, referindo–se ao acirramento da crise econômica brasileira e à radicalização da crise institucional, com a ascensão da extrema direita ao poder, a escalada autoritária do governo em diversas pautas e a perseguição política marcada pelo lawfare e pela prisão política de Lula: “Nós estamos empenhados todos na luta pela campanha Lula Livre, que representa o conjunto da denúncia democrática que fazemos atualmente no nosso país”, explicou o vice-presidente do PCdoB.
Walter conclamou os portugueses e delegações de outros países a se juntarem ao movimento internacional pela liberdade do ex-presidente. Também ressaltou o estrago da operação Lava Jato, nos últimos anos, para a economia brasileira e o desenvolvimento nacional: “Trata-se de um processo que já estava mapeado, com o departamento de Justiça dos Estados Unidos, que teve como alvo a Petrobrás e que visava claramente a desnacionalização do nosso patrimônio”, declarou.

Representantes dos partidos comunistas da Venezuela, Colômbia e Cuba também se pronunciaram no ato, que foi marcado pelo desejo de unidade das forças populares do continente, diante do crescimento do fascismo, do intervencionismo imperialista de Donald Trump e da crise social na região.

Assista a declaração de Walter Sorrentino: