Olívia defende descentralizar equipamentos de saúde em Salvador

Olívia Santana (PCdoB-BA), deputada estadual, é a pré-candidata do PCdoB à prefeitura de Salvador

foto: reprodução/ arquivo

A pré-candidata do PCdoB à prefeitura de Salvador, deputada estadual Olívia Santana, promoveu uma transmissão ao vivo pela internet, na tarde desta quinta-feira (28), para debater a realidade dos bairros da cidade e os problemas relacionados ao combate à Covid-19. Participaram especialistas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e representantes dos bairros de Plataforma e Uruguai.

Na conversa, Olívia destacou que Salvador caminha na direção dos 10 mil casos da covid-19, concentrando 62% dos casos do estado. Ela defendeu que se converse, que se popularizem os conhecimentos científicos e que se unam saberes para defender a vida, especialmente nas regiões mais pobres e populosas da cidade. Ela observou que tanto historicamente quando agora, na construção de estruturas para tratar de doentes da covid-19, as periferias recebem menos equipamentos de saúde do que o necessário.

“Os hospitais de campanha estão ainda muito concentrados. É preciso atender o subúrbio. O vírus é democrático, ele chegou no topo da pirâmide, na classe A. Mas agora mata nas periferias: a cidade não é democrática. É importante garantir as condições para o cuidado dessa população, descentralizando os equipamentos de Saúde neste momento de emergência e também planejando a rede para crescer na direção de quem mais precisa”, defendeu.

Olívia também defendeu que o poder público alugue quartos de hotéis para garantir locais adequados para as famílias se manterem em isolamento social – considerando, inclusive, que muitos estão também em áreas de risco de desabamento e precisam ser priorizadas.

Ela garantiu que recolher muitas das orientações do debate e que pretendo organizar sua aplicação, seja por meio de projetos da Assembleia Legislativa do estado, seja por meio de ofícios para os executivos estadual e municipal.

“Estamos na Assembleia com a responsabilidade coletiva de fazer o melhor para a população. Não é hora de disputar, é hora de somar esforços para salvar a vida das pessoas”, registrou, reforçando que segue firme na atuação parlamentar.

Risco

A pré-candidata afirmou ainda que o risco do coronavírus pode ser medido também pela falta de urbanização nos bairros. Ela tem defendido constantemente que as favelas de Salvador precisam ser urbanizadas – inclusive por causa de outras tragédias, como os deslizamentos sempre que chove forte.

“A vulnerabilidade nos bairros é medida pelo lixo coletado, o esgoto, a lotação de cômodos da casa, o fornecimento de água, a renda e as condições de saúde. Considerando as três dimensões, (urbana, social e saúde), o alerta é vermelho em diversas comunidades do subúrbio de Salvador (no que diz respeito à Covid-19)”, disse.

“É essencial a gestão integrada. É necessário organizar o enfrentamento da crise de maneira coordenada entre os poderes públicos em todos os níveis e a sociedade civil”, defendeu.

Olívia Santana também alertou para o risco de considerar que covid-19 atinge apenas alguns bairros da cidade, inclusive porque lá, como em todo o Brasil, a testagem é baixa. Neste sentido, defendeu que os gestores sejam precavidos, assumindo que a doença pode estar em todas as comunidades. Daí a urgência de ampliar o isolamento social.

Ela adicionou, também, que além de sensibilizar para o isolamento e distribuir auxílio financeiro e cestas básicas, é necessário garantir que as comunidades tenham internet universal e gratuita para acessar os serviços básicos.

Os debatedores defenderam que a cidade seja pensada e construída no futuro de modo a diminuir desigualdades.

Assista na íntegra:

Publicado por Olivia Santana em Quinta-feira, 28 de maio de 2020