Olimpíada: China supera Japão e abre vantagem no quadro de medalhas

A China vem se transformando numa máquina de medalhas, com grande apreço pelas de ouro nos Jogos Olímpicos. Nesta edição, o país fechou o sábado (31) em Tóquio com 46 pódios. O segundo colocado é o Japão, com 30 na contagem geral. Quem tem também 46 conquistas é o time dos Estados Unidos, mas com menos campeões.

Como todos sabem, as medalhas de ouro dão o peso no quadro de medalhas. Ocupam as primeiras colocações quem subir mais vezes no local mais alto do pódio. Há 76 países que já ganharam ao menos uma medalha nessa Olimpíada.

A China lidera essa corrida, pelo segundo dia consecutivo, com 21 vitórias. O Japão soma 17, enquanto os EUA têm 16. A quarta posição é dos russos, punidos por causa de doping estatal, mas que teve liberação do Comitê Olímpico Internacional (COI) e da Wada (Agência Mundial Antidoping) para estar nos Jogos com a bandeira do seu Comitê Olímpico. Há muito desconforto com a presença dos russos na Olimpíada.

O Brasil aumentou sua contagem com o bronze das tenistas Luisa Stefani e Laura Pigossi nas duplas. Elas faturaram a medalha após vitória contra as russas Veronika Kudermetova e Elena Vesnina, atuais vice-campeãs de Wimbledon, por 2 sets a 1. Assim, o Time Brasil chega à 8ª medalha: uma de ouro, três de prata e quatro de bronze. O Comitê Olímpico do Brasil (COB) projetou 20 conquistas, uma a mais do que foi no Rio, em 2016.

Para os atletas brasileiros, um lugar no pódio pode render premiação de até R$ 250 mil, dependendo da cor da medalha. O valor recorde é sete vezes superior ao que foi pago na última edição dos Jogos, quando o bônus era de até R$ 35 mil para todos os medalhistas, fosse ouro, prata ou bronze. Atletas campeões olímpicos em modalidades individuais serão premiados em R$ 250 mil. A recompensa pela medalha de prata será de R$ 150 mil e pelo bronze, R$ 100 mil.

Equipes com até seis atletas terão os seguintes valores para dividir: R$ 500 mil (ouro), R$ 300 mil (prata) e R$ 200 mil (bronze). Já os atletas das modalidades coletivas receberão R$ 750 mil (ouro), R$ 450 mil (prata) e R$ 300 mil (bronze), também para serem repartidos. Atletas com medalhas em mais de uma prova acumulam os valores, recebendo por conquista.

Com informações do Estadão