Nésio Fernandes reforça necessidade de vacinação frente à Ômicron

Foto: reprodução/redes sociais

O anúncio da circulação da nova variante Ômicron do coronavírus no continente africano e sua disseminação para outros países colocou em alerta autoridades de todo o mundo. O secretário de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, membro do Comitê Central do PCdoB, falou sobre o tema nesta segunda-feira (29), por meio de suas redes sociais, destacando a importância do esquema completo de vacinação com três doses contra a Covid-19.

“O impacto da variante Ômicron poderá ser heterogêneo nos diversos países, muito determinada pela exposição comunitária anterior à doença e ao avanço da vacinação com duas e três doses. Tudo vai depender principalmente do possível escape vacinal, se houver”, explicou Nésio.

Ele apontou ainda que “as próximas semanas serão necessárias para reconhecer impactos. Precisamos entender que já temos elementos para diversas decisões. A primeira e principal é: vacinar todos os povos do mundo com esquemas completos”.

O secretário também colocou que “estamos enfrentando uma nova variante com condições diferentes das que tivemos ao início da pandemia e no surgimento da Delta. Vacinar, vacinar, vacinar, testar, testar, testar, manter o uso das máscaras por mais tempo. Temos que incorporar medicamentos eficazes ao tratamento da Covid-19, já temos vários aprovados por agências reguladoras, seguros e eficazes”.

Nésio também destacou que “como gestores públicos, compartilhamos com os atores econômicos a preocupação com os impactos da nova variante em morbimortalidade e na economia. Meu pedido a eles é que compartilhemos também a mobilização pela vacinação plena da população; de todas as estratégias, esta é a principal, capaz de proteger a vida e a economia. Todos devem apoiar e cumprir medidas como passaporte vacinal e adotar campanhas de estímulo à vacinação”.

Ele salientou que hoje “existe oferta plena de vacinas, oferta à livre demanda: vacine-se com esquema completo (três doses) e apoie a vacinação. Use máscaras e diante de qualquer suspeita ou contato com sintomáticos ou com aglomerações, procure um ponto de testagem disponível no SUS”.

Por fim, Nésio apontou: “restrições às festas de fim de ano, ao ciclo verão/carnaval e a atividades mais amplas podem ser adotadas principalmente se houver fato novo reconhecido como escape vacinal associado à baixa adesão ao esquema completo e à desobediência civil. Vacine-se”.

Variante de preocupação

No dia 24 de novembro, a África do Sul avisou à Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a detecção da Ômicron. “Esta variante apresenta um grande número de mutações, algumas das quais preocupantes. A evidência preliminar sugere um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outras variantes de preocupação”, informou a OMS em comunicado.

No sábado (27), o governo federal publicou portaria proibindo voos para o Brasil que tenham origem ou passagem, nos últimos 14 dias, por seis países africanos: África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. Além disso, a

portaria suspende a entrada de estrangeiros com passagem recente por esses países. Brasileiros e estrangeiros residentes terão que fazer quarentena de 14 dias ao chegar ao Brasil.

Até a manhã desta segunda-feira (29), 14 países já haviam reportado à OMS a detecção do novo vírus.

Por Priscila Lobregatte

Com agências