Não vacinados são 80% dos mortos e internados por covid-19 no Brasil

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Levantamento realizado pela Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp) ao qual o UOL teve acesso contatou que, entre os mortos pela Covid-19 no Brasil, 80% não tomaram nenhuma dose da vacina contra o novo coronavírus.

“Do início de março até o dia 15 de novembro, 306.050 pessoas faleceram em decorrência da covid-19. Destes, 79,7% (243 mil) correspondem a brasileiros que não iniciaram o ciclo vacinal de imunização contra a doença. Entre aqueles que tomaram apenas uma dose, 9,7% (29 mil) faleceram e entre os que completaram o esquema vacinal, 10,7% (32 mil)”, explica o portal.

O número de óbitos no mês de outubro entre vacinados (3.293) superou o de não vacinados (2.000). Essa diferença pode passar a impressão equivocada de que dá no mesmo se imunizar ou não, disse ao Portal Uol um dos coordenadores da Info Tracker, o professor da Unesp Wallace Casaca.

Ele explica, porém, que a confusão ocorre porque a proporção de pessoas já vacinadas no Brasil já era grande no mês.

As 3.293 pessoas que morreram em outubro faziam parte de um universo de 130 milhões de adultos já totalmente imunizados, ou 25 pessoas para cada 1 milhão de habitantes. Já os 2.000 mortos entre os 27 milhões de adultos não imunizados equivalem a 74 vítimas para cada milhão, ou seja, quase o triplo.

Ainda de acordo com o portal, a quantidade de pessoas internadas depois de contrair Covid segue proporção parecida: dos 981 mil internados, 802 mil (81,7%) não haviam tomado nenhuma dose da vacina, enquanto foram apenas 93 mil internações (9,6%) entre quem recebeu as duas doses ou a dose única do imunizante. Os internados após uma dose da vacina somaram 85 mil (8,7%).

“O resultado é que o número de mortos caiu 94% desde que a segunda dose passou a ser aplicada no Brasil: foram 89,6 mil óbitos em março contra 5.744 em outubro”, informa o UOL. “O total absoluto de óbitos e internações ao longo do período tem caído de forma acentuada e sustentada graças à vacinação”, diz Casaca.