Manuela: nem sei descrever a vergonha que é ter Bolsonaro presidente

Foto: Marcelo Bertâni/Agência ALRS

O mais recente vexame protagonizado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em Nova York, e a desastrosa condução da economia pelo mandatário e seu ministro Paulo Guedes levaram a ex-deputada do PCdoB, Manuela d’Ávila, a se manifestar pelas redes sociais nesta segunda-feira (20).

“Eu nem sei descrever a vergonha que é ser presidida por esse homem que está destruindo o Brasil, o Estado brasileiro, os direitos de nosso povo e que ainda transforma o Brasil num pária internacional, num problema para todos os que enfrentam a pandemia. Bolsonaro come pizza na rua porque não pode entrar num restaurante e o menor dos problemas é ele não poder comer em restaurante”, disse Manuela.

O problema mesmo, completou, está no fato de “distribuir mentiras enquanto 590 mil pessoas morreram. E é por isso que no dia 2 de outubro todos nós vamos para as ruas dizer que não tem como esperar 2022. É preciso interromper esse absurdo imediatamente”.

O comentário de Manuela foi feito após ser noticiado que Bolsonaro e sua comitiva comeram pizza na rua em Nova York (EUA) no domingo (19). A cidade exige comprovante de vacinação contra a Covid-19 para que clientes possam adentrar locais fechados, como restaurantes, por exemplo. E, em mais de uma ocasião, Bolsonaro declarou que não teria se imunizado. O presidente está na cidade norte-americana para participar da 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) que começa nesta terça-feira (21).

Desastre econômico

Outro ponto tratado por Manuela foi a inflação e as dificuldades enfrentadas pela população no âmbito econômico. Repercutindo pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (20), segundo a qual para 69% dos brasileiros a economia do país piorou, a ex-deputada declarou: “Guedes e Bolsonaro podem tentar jogar a culpa nas pessoas que ‘engordaram na pandemia’, no pratão da classe média e nos mais pobres, mas a verdade é uma só: o governo Bolsonaro é um desastre na economia”.

Com a alta na inflação, disse, “o brasileiro está enfrentando um período de muita dificuldade. É aumento para todo lado: no preço dos alimentos, na gasolina, no gás… E o desemprego também só bate recorde. A insatisfação é grande”, disse.

O levantamento do Datafolha mostra que a avaliação negativa da economia também é maioria entre os apoiadores de Bolsonaro, ainda que em menor número na comparação com a opinião geral: para 36% houve piora; para 32% ficou como estava e para 31% melhorou.

 

Por Priscila Lobregatte

Com agências