Manuela: ignorar primeira infância é não investir no futuro

Foto: reprodução

A jornalista e ex-deputada do PCdoB, Manuela d’Ávila, criticou, nesta terça-feira (12), a falta de políticas e de investimentos na educação infantil durante o governo Bolsonaro, que resultou, entre outras perdas, na redução de crianças em creches pelo país em 2020, primeira retração no número de matrículas em duas décadas.

“O Ministério da Educação de Bolsonaro reduziu os investimentos para apoiar as redes municipais na oferta de educação infantil. Ignorar os investimentos com a primeira infância é não investir no futuro do país”, declarou Manuela pelas redes sociais.

Ela apontou que “a proporção de crianças matriculadas em creches recuou em 2020, durante o governo Bolsonaro, e isso mesmo antes da pandemia. Somente 17% dos municípios têm ao menos metade das crianças de 0 a 3 anos na escola, índice que deveria ser alcançado por todo o país até 2024”. Os dados foram publicados pelo jornal Folha de S.Paulo na segunda-feira (11) e obtidos pelo Comitê Técnico de Educação do IRB (Instituto Rui Barbosa), ligado aos Tribunais de Contas dos Estados.

Manuela destacou ainda que “a desigualdade se dá também por regiões: a maior parte dessas cidades se localiza nas regiões Sul e Sudeste, enquanto somente 3% das cidades ao Norte atingiram esse índice”.

Conforme a publicação, 45% das cidades não conseguiram superar a média nacional de 31% das crianças em creches; 80% desses municípios estão no Norte e no Nordeste.

 

 

 

Por Priscila Lobregatte

Com agências