Manuela d’Ávila lidera pesquisa à Prefeitura de Porto Alegre 

A um ano das eleições municipais de 2020, a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB) lidera a disputa à Prefeitura de Porto Alegre (RS). Segundo pesquisa do Instituto Methodus, Manu – que foi candidata a vice-presidenta na chapa de Fernando Haddad (PT) em 2018 – pontua em primeiro lugar na capital gaúcha, tanto na sondagem espontânea quanto na estimulada. O levantamento foi publicado nesta terça-feira (8/10) no jornal Correio do Povo.

Por André Cintra

Na pesquisa espontânea, Manuela é lembrada por 8% dos entrevistados, ficando numericamente à frente do deputado estadual Sebastião Melo (MDB, 6%) e do prefeito porto-alegrense, Nelson Marchezan Júnior (PSDB, 4%). A deputada estadual Luciana Genro (PSOL) tem 2%, e a deputada federal Maria do Rosário (PT), 1%.

O levantamento espontâneo pergunta ao eleitor em quem ele deve votar, sem apresentar nomes de candidatos. Conforme o Instituto Methodus, 72% não sabem ou não responderam. Além disso, 7% dos entrevistados declaram que votarão em branco ou anularão o voto.

Manuela também é líder nos quatro cenários estimulados pesquisados em Porto Alegre. Na disputa mais apertada – e também mais improvável –, com 14 candidatos, ela aparece com 17%. Melo vêm na sequência, com 11%, seguido por Marchezan Júnior (9%), Luciana Genro (6%), Maria do Rosário (5%), Beto Albuquerque (PSB, 4%), Juliana Brizola (PDT, 4%), Fábio Ostermann (Novo, 3%), Any Ortiz (Cidadania, 3%), Thiago Duarte (DEM, 3%), Maurício Dziedricki (PTB, 3%), Ruy Irigaray (PSL, 2%), Gustavo Paim (PP, 1%) e Carlos Gomes (Republicanos, 1%). Os indecisos somam 17%, ao passo que 12% dizem que votação em brancos ou nulo.

Nos demais cenários, mais “enxutos”, Manuela permanece em primeiro lugar, indo de 20% (no cenário com sete candidatos) a 27% (com três nomes na disputa). Já Melo alterna de 14% a 22%, enquanto Marchezan Júnior oscila de 11 a 12%. O atual prefeito tem a maior rejeição entre todos os candidatos: 40% dizem que não votariam nele, ante 38% de Maria do Rosário e 33% de Manuela.

A avaliação do governo Marchezan Júnior também é majoritariamente negativa: 64% consideram sua gestão “ruim” ou “péssima”, 22% a consideram “regular” e apenas “14%” a veem como “ótima ou boa”. A pesquisa Methodus foi feita de 2 a 7 de outubro, com 800 pessoas. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

 X