Justiça mantém sentença de Eduardo Bolsonaro por ofensa a repórter

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)

Foto: reprodução

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) negou recurso do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e manteve a decisão que determina que o parlamentar pague indenização à jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo.

A decisão foi tomada na quarta-feira (22) pelos desembargadores Alexandre Coelho, relator do caso, Clara Maria Araújo Xavier e Salles Rossi, da 8ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP.

O julgamento foi unânime e a indenização por danos morais teve o valor elevado para R$ 35 mil.

A primeira condenação ocorreu em janeiro. Na ocasião, o juiz Luiz Gustavo Esteves, da 11ª Vara Cível de São Paulo, tinha condenado o filho 03 de Jair Bolsonaro a indenizar a jornalista em R$ 30 mil, além de pagar as custas processuais e honorários advocatícios.

A jornalista acionou a Justiça após ter sido alvo de ofensa de cunho sexual, feita por Eduardo durante uma live, na qual o deputado afirmou que a repórter “tentava seduzir” fontes para obter informações que pudessem prejudicar o governo de Bolsonaro.

A live de Eduardo Bolsonaro foi ao ar pelo canal do YouTube chamado “Terça Livre TV”, do foragido da Justiça Alan dos Santos, em 27 de maio de 2020.

Na transmissão, o deputado também insinuou que Patrícia Campos Mello propagava “fake news” contra o presidente para ganhar promoção no jornal.