Jandira pede prioridade na vacinação de grávidas contra alta de mortes

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) usou a tribuna da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (7) para chamar atenção do Congresso Nacional e do governo Bolsonaro para a necessidade de resolver, com urgência, a grave situação de mortalidade de grávidas e puérperas pela Covid-19 no Brasil.

A parlamentar fez alusão a dados divulgados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), reforçando que o Brasil é o país com o maior número de mortes maternas resultantes de Covid-19 em todo o mundo. A taxa de mortalidade neste público no país, de 7,2%, é quase três vezes maior em relação à taxa geral, que é de 2,8%.

“É importante que nós resolvamos, de uma vez por todas, a prioridade de vacinação para as mulheres gestantes porque a mortalidade cresce. Já perdemos 1.400 gestantes, somos campeões mundiais em mortes de grávidas e puérperas na pandemia, é um campeonato que nos envergonha”, disse Jandira.

Ela apontou a responsabilidade do governo Bolsonaro para que o país atingisse esse quadro dramático, salientando que “a vacinação é lenta, agora é que estamos chegando a 13% de vacinados em duas doses e as grávidas ainda não são prioridade no Plano Nacional de Imunização. É preciso que se resolva tecnicamente o problema e que se resolva do ponto de vista da celeridade da vacinação no Brasil”. A parlamentar lembrou que além da mãe, em geral morre também o bebê, levando a perda evitável de duas vidas.

Jandira também alertou para o fato de a mortalidade entre as negras ser maior do que entre as brancas, mostrando a influência das desigualdade sociais e de raça também no cenário da Covid-19. “Os estudos mostram as altíssimas marcas de mortalidade para as grávidas e puérperas e não só isso, mas as negras também têm uma chance dobrada de mortalidade no Brasil em relação às mulheres brancas”, colocou.

A deputada também lembrou de leis dela e da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) que buscam enfrentar a questão. Perpétua é autora da Lei 14.151/21, cujo projeto foi apresentado ainda em 2020,  que permite às grávidas exercerem trabalho remoto durante a pandemia. Jandira é autora da Lei nº 14.152/21, que estende o prazo de validade de pedidos médicos para a realização de exames de pré-natal e de acompanhamento do estado puerperal e facilita o acesso a cuidados intensivos e à internação em leitos de UTI enquanto perdurar a pandemia da Covid-19.

Assista a fala da deputada na tribuna da Câmara

 

Por Priscila Lobregatte