Internautas e parlamentares veem inconsistências em lista de compras

Portal da Transparência saiu do ar na noite de terça

Após a divulgação dos gastos de R$ 1,8 bilhão do governo federal em alimentos em 2020 gerar uma enxurrada de memes sobre os altos valores e os itens consumidos – foram R$ 15 milhões para leite condensado e R$ 2 milhões para chiclete, por exemplo – parlamentares, jornalistas e internautas se aprofundaram em detalhes da lista de compras e apontaram itens que merecem investigação.

Na noite desta terça-feira (26), o Portal da Transparência, onde estão as informações, saiu do ar e só voltou na manhã desta quarta (27), o que gerou mais especulações.

No Twitter, o perfil @Boscardin apontou que uma das empresas que figura na lista, a Saúde & Vida Comercial de Alimentos Ltda., fechou um contrato no valor de R$ 12 milhões com as Forças Armadas, o que pareceria estranho por se tratar de uma Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, um tipo de empresa que normalmente tem baixa capacidade financeira.

A empresa pertence a Azenate Barreto Abreu que, segundo informações levantadas pelo perfil, é casada Elvio Rosemberg da Silva Abreu. Ambos são pais de Elvio Rosemberg da Silva Abreu Júnior, que, por sua vez, fechou outro contrato com o governo no valor de R$ 25,4 milhões por meio da empresa DFX Comércio e Importação Eireli.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) questionou ainda o valor unitário de itens como o leite condensado e o bombom. O Portal da Transparência discrimina R$ 162 pagos pelo leite condensado, descrevendo unidades de 395 gramas do alimento, valor bem superior ao que custa uma latinha ou uma caixa nas prateleiras de supermercados.

No caso do bombom, a parlamentar disse que o doce saiu ao custo de R$ 89 a unidade. Além disso, ao buscar o endereço da empresa conforme informado no Portal da Transparência, a imagem encontrada parece ser de uma área residencial no Paraná.

O UOL conseguiu fazer contato com a Saúde e Vida Comercial de Alimentos Ltda., responsável pela venda do leite condensado. A empresa é a mesma que pertence a Azenate Barreto Abreu e é citada pelo perfil @Boscardin. Ao portal, a empresa disse que vendeu duas caixas com 27 unidades de leite condensado ao valor de R$ 162 cada, totalizando R$ 324. Não está claro a que se referem os demais valores repassados pelo poder público à empresa.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-ES) e os deputados Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) entraram com uma representação no Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo investigação sobre os gastos. Uma outra representação foi apresentada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).