Direção se reúne e debate mobilização da militância para eleger Lula

Reunião dia 23 de maio em SP, PCdoB com Lula e demais partidos que compõem o movimento Vamos Juntos Pelo Brasil.

Foto: Ricardo Stuckert

Nesta sexta-feira, 27 de maio, iniciou-se a terceira reunião do Comitê Central do PCdoB, que tem na sua pauta a discussão da organização e mobilização da militância para enfrentar a disputa eleitoral que se avizinha.

Por Renata Mielli*

Duas tarefas centrais são o foco do debate dos dirigentes comunistas: eleger Lula para abrir um novo momento de esperança para o povo e de reconstrução do país, e eleger uma bancada robusta de deputados e deputadas federais e estaduais pelo país que contribuam para o objetivo de fortalecer o PCdoB e para as tarefas de recuperação do papel do Estado, resgate dos direitos sociais e trabalhistas e da democracia no Brasil.

A reunião acontece no dia em que se comemoram os 20 anos do falecimento de João Amazonas, que dá nome a este terceiro encontro do atual Comitê Central. A presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos, destacou a importância de Amazonas: “Este paraense de aparência franzina sempre foi um verdadeiro gigante. O espírito combativo, a visão alargada de como se fazer política, o compromisso ideológico com a luta pelo socialismo que Amazonas possuía constituem parte da cultura política que o PCdoB leva consigo”.

Na primeira etapa da reunião, Luciana Santos fez uma análise do quadro político internacional, nacional e dos desafios postos para a disputa eleitoral, que terá – como apontam as pesquisas, dimensões plebiscitárias com dois campos bem definidos, um que representa o aprofundamento do desmonte nacional e o enraizamento de um projeto autoritário de poder; em contraposição a outro campo que tem como desafio a reconstrução nacional e o fortalecimento da democracia.

Situação econômica e social do país é caótica e dramática!

Na avaliação da dirigente, o país vive uma nova endemia: a da carestia e da fome. Ela ilustra o cenário de profunda crise econômica e social com dados como o acumulado da inflação nos últimos 12 meses, de 12,13%, a maior dos últimos 20 anos, que afeta, principalmente os mais pobres. “O leite subiu 69% enquanto o óleo de cozinha 75%. O risco de fome atinge patamar recorde no Brasil, ameaçando 36% das famílias e pela primeira vez, desde 2006, o país tem nível de insegurança alimentar pior que a média de 120 nações. Segundo estudo do INESC, o governo Bolsonaro atuou no desmonte e desfinanciamento das políticas sociais. De 2019 a 2021, enquanto a Saúde perdia R$ 10 bilhões em termos reais, os recursos para a educação infantil se reduziram em quatro vezes. A taxa Selic subiu de 2% no início de 2021 para 12,75% neste mês. O índice de desemprego de abril deste ano chegou a 11,2% da população e a renda média vem caindo. Bolsonaro será o primeiro presidente da história a terminar o mandato com o salário-mínimo menor do que ao início de seu governo”, lamenta.

A presidenta do PCdoB também ressaltou a destruição do parque industrial, principalmente no setor de petróleo e gás, o que tem como consequência imediata o aumento dos combustíveis que afetam os preços e trazem impactos dramáticas para a vida do povo.

Eleitor quer novo rumo para o país

Cresce a cada dia a compreensão do eleitor sobre a responsabilidade de Bolsonaro sobre a crise econômica e social, a rejeição à truculência do atual governo e ao seu desprezo com as causas do povo e da democracia. As pesquisas refletem esse descontentamento que. Há cinco meses antes da eleição, 74% dos eleitores já indicam em quem pretendem votar. Sete de cada dez eleitores estão atentos e interessados no debate eleitoral.

“As pesquisas qualitativas indicam que se encontram no topo das preocupações dos brasileiros, o emprego, inflação, renda e saúde. De acordo com as pesquisas, para 50%, a economia é o principal problema enfrentado pelo país hoje. A sociedade brasileira está passando muito mal, porque saiu do trauma da pandemia, para cair no trauma da fome, do desemprego, da desesperança e do desalento”, afirma a presidenta do PCdoB.

Essa realidade vivida pelo povo se reflete na pesquisa de intenções de voto divulgada nesta quinta-feira (26) pelo DataFolha, que traz Lula com 48% de intenções de votos e Bolsonaro com 27%. Na avaliação de Luciana, “a pesquisa é extremamente positiva e reforça algumas considerações que tínhamos feito nas últimas semanas de que se trata de uma eleição com caráter plebiscitário e que pode ter seu desfecho no primeiro turno”.

Pé no chão e muito trabalho para construir a vitória

Apesar do favoritismo revelado na última pesquisa, Luciana alerta que é necessário “ter muito pé no chão e muita tranquilidade, porque de hoje até as eleições muita coisa pode ocorrer. Temos que com estes números e análises em mãos buscar contribuir para uma vitória logo no primeiro turno”.

Para Luciana a principal tarefa que está colocada neste momento é “concentrar todas as energias do Partido em construir e assegurar a vitória de nosso projeto eleitoral. A partir do Comitê Central e cada Comitê Estadual, o Distrital do DF, cada municipal, cada organismo de base, cada dirigente, cada militante, cada filiado e filiada, todos somos chamados, com o apoio do povo, a desempenhar, da melhor maneira, nossas tarefas neste confronto histórico. Concentremos, portanto, nossas energias para derrotar Bolsonaro, elegermos Lula e uma ampla e forte bancada parlamentar comunista — a bancada do centenário!”.

 

*Jornalista. Secretária Nacional de Comunicação do PCdoB