Desorientado, Biden estende a mão ao vazio para cumprimentar a ninguém

“Não é um perigo alguém que tem acesso ao botão nuclear com esse nível de confusão mental?”, questiona um leitor

(NY Post)

Ao final de um discurso na Carolina do Norte na quinta-feira (14), Biden, virou-se para a direita no palco e estendeu a mão para um cumprimento no vazio. Situação constrangedora, mostrada em um vídeo da NBC News, que espantou e viralizou.

Não é para menos: Biden termina o discurso, e estende a mão para um aperto de mão, embora não houvesse ninguém perto do presidente a quem esse gesto poderia ser dirigido.

A seguir, parecendo confuso – desorientado, diriam os especialistas – Biden deu alguns passos perto do pódio, aparentemente procurando uma passagem para deixar o palco.

O tema do discurso foi a sua ‘reforma da infraestrutura’, que está emperrada no Congresso até agora e, se não se mover antes de novembro, depois é que não irá.

Esta não é a primeira situação na qual mostra lapsos de perda de consciência com o presidente americano de 79 anos é flagrado. Anteriormente, ele já chamou sua vice Kamala Harris de ‘presidente’, confundiu ‘ucranianos’ com ‘iranianos’ em outra preleção, além de tropeço ao embarcar em um avião para Pittsburgh.

Também se tornou corriqueiro ele fazer uma declaração sobre um assunto global e a porta-voz da Casa Branca correr a explicar que não era bem isso o que POTUS (a ridícula sigla com que os norte-americanos se referem ao seu presidente) “queria dizer”.

A reincidência no vexame deverá atiçar os republicanos a multiplicarem seus comentários maldosos de que Biden ‘não está batendo bem’.

Quanto ao resto da Humanidade, está na torcida para que o cara que carrega a maleta nuclear esteja um pouco mais lúcido do que o chefe.

Como comentou um leitor do jornal britânico The Daily Mail: “se ele morasse no Reino Unido, não teria permissão para dirigir um carro, mas os americanos permitiram que ele colocasse a mão no botão nuclear. Deus salve a todos nós”.

O Daily Mail produziu um vídeo mostrando os dois momentos de desorientação de Biden, quando cumprimenta o nada e quando busca uma porta de saída em meio a um espaço aberto.