Congressos do PCdoB e PPL aprovam união em defesa do Brasil

Reunião dos Congressos Extraordinários PCdoB e PPL. Fotos: Karla Boughoff

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e o Partido Pátria Livre (PPL) realizaram, neste domingo (17), no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, em São Paulo (Liberdade), reunião conjunta dos Congressos Extraordinários dos dois partidos para concluir etapa do processo de incorporação.

Sob o lema “Democracia, Soberania e Socialismo – Somando forças”, o evento coroou a união por meio da eleição de integrantes do PPL para formar o novo Comitê Central do PCdoB (direção nacional), composto agora por 170 nomes (129 do PCdoB e 41 integrantes oriundos do PPL).

Aprovada a integração dos membros dos dois partidos, conforme a legislação, nesta segunda-feira (18) será entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pedido para homologação da incorporação.

A reunião do Comitê Central realizada anteriormente, nos dias 15 e 16 de março, aprovou uma resolução política, um balanço das eleições 2018 e uma moção (disponível em documentos).

Na resolução aprovada pelos comunistas, o PCdoB propõe enfrentar o retrocesso representado pela forças de extrema-direita que assumiram a condução do país, a união de amplas forças tendo a democracia como bandeira central. “Deve reger a constituição dessa frente a união de todas as forças possíveis de serem unidas, com o objetivo de isolar e derrotar o governo da extrema-direita. Essa é a tática geral da luta atual”, diz a nota.

A presidenta do PCdoB, Luciana Santos, fez um pronunciamento em que destacou a relevância histórica dos dois congressos. “No dia de hoje damos um passo a mais na construção de um partido forte, com solidez ideológica, flexibilidade e amplitude tática, que compreenda a natureza e os anseios do nosso povo. Uma força organizada, com ampla militância em distintas esferas da sociedade e com unidade política e de ação”, afirmou Luciana.

Sérgio Rubens também se pronunciou no inícios dos trabalhos e ressaltou a importância de concentrar forças para enfrentar os desafios em face da posse do governo Bolsonaro. Para ele, é necessária a construção de uma frente que una amplos setores para derrotar a agenda do governo, com destaque para a reforma da Previdência.

Em seguida, pronunciaram o líder do PCdoB na Câmara, deputado Orlando Silva, João Vicente Goulart, ex-candidato a presidente da República; Irapuan Santos, então presidente do PPL-RJ; Jandira Feghali, líder da Minoria na Câmara dos Deputados; Márcia Campos, da Confederação de Mulheres do Brasil; Manuela d’Ávila, ex-candidata a vice-presidenta da República; Nilson Araújo, professor e ex-presidente da Fundação Cláudio Campos; Renato Rabelo, presidente da Fundação Maurício Grabois; Ildo Sauer, professor da USP e ex-diretos da Petrobras e Flávio Dino, governador do Maranhão.

O final do evento foi agraciado com muita festa. A União da Juventude Socialista (UJS) animou o público com sua bateria. Bandeiras do PCdoB e do Brasil se entrelaçaram ao som da Internacional Comunista e do Hino do PCdoB (composição de Jorge Mauthner).

Nova Comissão Política e Executiva

Ao final dos congressos, o Comitê Central, recém-eleito, reuniu-se para eleger os novos integrantes da Comissão Política Nacional, assim como da nova Comissão Executiva Nacional, da qual passou a fazer parte, como um dos dois vice-presidentes, Sérgio Rubens, que até este domingo presidia o PPL.

Paralelamente à reunião, Manuela d’Ávila fez o lançamento do seu novo livro “Revolução Laura”, e concedeu autógrafos.

As fotos do evento estão disponíveis no Flickr. Fotos de Marcos Bruno e Karla Boughoff.

Confira aqui.